Após perder eleição, candidato corta água e Internet de comunidade rural

Zequinha contava com uma cadeira no Legislativo, mas só obteve 241 votos. Ficou furioso e deixou o povo na seca e sem "zapzap"
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Um fato curioso aconteceu na zona rural do município de Tomé-açu, região nordeste do Pará. Após perder as eleições de domingo, 15, o candidato a vereador José Neres, o Zequinha, ficou revoltado e destruiu um sistema de distribuição de água e cortou o sinal de Internet para a Vila Socorro.

Em áudio divulgado na noite de domingo, o candidato mostra revolta com os moradores. “Se eu não ganhar, ninguém vai aqui”, diz ele em relação à comunidade rural do Socorro. “É um desafio, eu dava minha vida, com bom coração e bom pensamento. Como vereador eu teria como ajudar a comunidade. Hoje não temos água na Vila Socorro porque quem colocou água foi eu. Cortei a água de lá, é um direito meu porque é meu. Sou nervoso, mas tenho um coração bom. Até poderia perder no município, mas não aqui na vila”, comenta o candidato derrotado.

Instalação elétrica foi destruída

Zequinha, como está registrado no Tribunal Superior Eleitora, era candidato pelo PSD, e obteve 241 votos, número insuficiente para assegurar uma vaga no Legislativo de Tomé-açu. Segundo ele, a comunidade rural era abastecida com água de um poço artesiano onde ele próprio fez a destruição de água e ainda disponibilizou sinal de Internet para os moradores. Tudo foi cortado na noite de domingo após sair o resultado das urnas.

Estrutura do poço foi destruída

“Hoje a vila não tem Internet de graça. Pra mim, é missão cumprida. Tenho maior respeito pelas pessoas. Mas tem pessoas que dizem que vem aqui em casa, eu quero que venha, mas venha bem armado porque daqui meu irmão a coisa é séria”. Para justificar seu ato, ele cita um trecho bíblico: “O justo paga pelo pegador e, se a maioria não me quer como vereador, não merece água. Posso estar errado, mas daqui pra frente é vida que segue”.

(Antonio Barroso)