Duas pessoas já foram presas por crime eleitoral no interior do Pará

A Operação “Eleições 2020” também já enquadrou pessoas por desobediência à Lei Seca nos municípios de Novo Repartimento, Breu Branco e Primavera
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Operação “Eleições 2020” já prendeu duas pessoas por crime eleitoral no interior do Pará. Também já foram registrados detenções por desobediência à Lei Seca em Novo Repartimento, Breu Branco e Primavera.

Equipes da Polícia Federal, Civil, Militar e agentes das guardas municipais estão nas ruas desde sábado (14) realizando ações para combater crimes eleitorais e desobediência à Lei Seca, que passou a vigorar a meia noite deste domingo (15) e segue até às 18 horas, seguindo o horário de cada localidade, já que o Pará tem diferença de fuso horário.

Em Novo Repartimento, Breu Branco e Primavera já foram registrados Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO) por desobediência (Art. 330, do Código Penal). Na cidade de Novo Repartimento, o proprietário de um posto de combustíveis foi conduzido para a Delegacia de Polícia Civil por estar vendendo e permitindo o consumo de bebidas alcoólica na loja de conveniência do estabelecimento após às 0h00.

Já em Breu Branco, as equipes das polícias Civil e Militar flagraram a venda irregular de bebidas alcoólicas em um estabelecimento. No município de Primavera, a operação conjunta entre PM, PC e Ministério Público fechou 10 estabelecimentos, entre bares e similares, por venda de bebida alcoólica fora do horário permitido.

Também já foram realizadas duas ocorrências de Corrupção Eleitoral nos municípios de Salinópolis e Portel, assim como lavrados dois Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO) pela prática de Divulgação ou Propaganda Irregular nas cidades de Paragominas e Anapu.

Em Paragominas e Santarém a Polícia Federal já realizou prisões por crime eleitoral, incluindo dois candidatos a vereador. Em Parauapebas, a PF realizou batida na tarde de ontem em um posto de combustível, onde estaria ocorrendo abastecimento de
veículos como forma de compra de votos. (Tina Santos)