Acordo supera impasse e elege Mesa Diretora da Câmara dos Deputados

Obedecendo o critério de divisão dos cargos, o deputado paraense Cássio Andrade, do PSB do Pará, assume a suplência da 4ª Secretaria
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Na foto, à esquerda, Deputado Federal Cássio Andrade, eleito um dos membros da Mesa. À direita, mulheres deputadas comemoram a vitória das três colegas

Continua depois da publicidade

Brasília – Após décadas, um parlamentar paraense ocupará um cargo na Mesa Diretora da Câmara dos Deputados. Nesta quarta-feira (3), um acordo costurado mais cedo selou a paz na Casa, superando o impasse criado pelo presidente eleito Arthur Lira (PP-AL), que voltou atrás em excluir o bloco dos partidos que compunham a chapa do candidato Baleia Rossi (MDB-SP), o que permitiu a eleição dos cargos da Mesa, que no próximo biênio, terá uma característica inédita: será composta por três deputadas, ou 40% das vagas.

A votação foi presencial e secreta, com 21 urnas eletrônicas distribuídas pelo Plenário Ulysses Guimarães e pelos salões Verde e Nobre. Foram eleitos:

  • 1ª Vice-presidência: Marcelo Ramos (PL-AM);
  • 2ª Vice-presidência: André de Paula (PSD-PE);
  • 1ª Secretaria: Luciano Bivar (PSL-PE);
  • 2ª Secretaria: Marília Arraes (PT-PE);
  • 3ª Secretaria: Rose Modesto (PSDB-MS) e
  • 4ª Secretaria: Rosângela Gomes (Republicanos-RJ).

Houve segundo turno apenas para o cargo de 2º secretário. A segunda votação ocorre quando o candidato não alcança a maioria absoluta dos votos no primeiro escrutínio.

Suplentes

As quatro vagas de suplentes de secretários foram preenchidas pelos deputados Eduardo Bismarck (PDT-CE), Gilberto Nascimento (PSC-SP), Alexandre Leite (DEM-SP) e Cássio Andrade (PSB-PA). Os suplentes participam da Mesa apenas na ausência do titular.

O deputado federal Cássio Andrade disse que o cargo que passa a ocupar na Mesa traz mais poder de representatividade para o estado do Pará. “É uma vitória do nosso mandato e uma resposta ao povo do Pará, que agora conta com um representante do estado na mesa Diretora da Câmara Federal,” pontua. 

Andrade junta-se ao deputado Joaquim Passarinho (PSD-PA), vice-líder do governo na Câmara dos Deputados e ao Senador Zequinha Marinho, líder do PSC no Senado Federal, como os três parlamentares de maior peso político na bancada paraense.

Mesa Diretora biênio 2021-2022

Cássio Andrade é integrante da Comissão de Constituição, Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara, a mais importante da Casa, desde que assumiu o seu mandato. Embora ainda não esteja claro quando as comissões serão reinstaladas, uma vez que a pandemia ainda impõe uma série de restrições, a indicação de seu nome pelo PSB à 4ª suplência da Câmara Federal é resultado da sua atuação efetiva como parlamentar: “Fomos eleitos em um processo democrático, como desfecho de todos que acreditam e confiam em nosso trabalho,” destacou.

Acordo

A escolha dos integrantes da Mesa é feita de acordo com o número de deputados em cada partido ou bloco partidário. Os deputados podem votar apenas em candidatos do partido que teve o direito de escolha para cada cargo. O líder do partido indica o candidato, mas também podem se inscrever candidatos independentes do mesmo partido – chamados de candidatos avulsos.

A eleição da Mesa para o biênio 2021-2022 estava prevista para segunda-feira (1º), junto com a eleição do presidente. No entanto, ao tomar posse, o presidente Arthur Lira anulou a decisão do ex-presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ), que aceitou o registro do bloco do candidato derrotado, deputado Baleia Rossi (MDB-SP). O bloco foi registrado minutos após o fim do prazo determinado.

Na terça-feira (2), Arthur Lira anunciou um novo acordo entre os líderes partidários para a composição da Mesa Diretora. Segundo o presidente, houve pacificação em relação à participação dos dois grupos na divisão dos cargos. Ele retornou ao assunto ao abrir a sessão de votação nesta quarta.

“O clima que vai funcionar e imperar de agora pra frente vai ser justamente aquele que tratamos como marca maior da nossa campanha junto com todos os deputados. O trabalho coletivo, a previsibilidade, a reunião do colégio de líderes, a discussão nas bancadas e a harmonia interna e externa, tanto dentro da Câmara dos Deputados, como do Poder Executivo e do Poder Judiciário,” afirmou Arthur Lira, no Plenário.

O deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), líder do bloco PSL, PL, PP, PSD, Republicanos, PTB, Pros, Pode, PSC, Avante e Patriota, também elogiou o acordo. “Ontem, através de um esforço muito grande, conseguimos um entendimento. Foi um processo conduzido da forma mais transparente possível,” disse.

Por Val-André Mutran – de Brasília