Acidente com fratura de osso é causa nº 1 de internações nos hospitais de Parauapebas

Acidentes de trânsito mandaram 1.098 pessoas à emergência das unidades públicas de saúde este ano, 25% a mais que no ano passado. Prejuízo aos cofres quase dobrou: R$ 1,517 milhão
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

De janeiro a outubro, praticamente três ou quatro pessoas por dia foram parar na emergência das unidades de saúde pública do segundo mais rico município do Pará. Os acidentes de trânsito envolvendo, sobretudo, motocicletas dispararam em Parauapebas e fizeram as estatísticas incharem como nunca. Parece cenário de filme de terror, com cada vez mais pessoas com pernas, braços, costelas e cabeças quebrados no asfalto.

As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que analisou dados consolidados do Ministério da Saúde sobre internações no âmbito municipal do Sistema Único de Saúde (SUS), diante do excessivo número de acidentes noticiados pela imprensa local no decorrer de 2021.

O levantamento do Blog mostra que houve este ano explosão de 25% no número de acidentes em que as vítimas tiveram fraturas, em relação ao mesmo período do ano passado, tendo como fiador carro e moto. Se, em 2020, um total de 878 parauapebenses se machucaram gravemente até o mês de outubro, quebrando ossos e alguns até com fraturas expostas, este ano foram 1.098.

A robusta frota que eleva o nome de Parauapebas como um dos lugares do país onde mais se emplacam carro e moto novos é a mesma que coloca o município na condição de maior gerador de internações hospitalares por acidente de trânsito. E tudo isso tem impacto no sistema de saúde pública, que já sente os efeitos nefastos de tamanha catástrofe.

Gastos com internações subiram 92%

O Blog apurou que o SUS desembolsou no ano passado R$ 788 mil para custear as internações dos acidentes com fraturas. Este ano o valor praticamente dobrou, saltando para R$ 1,517 milhão. Uma das razões para esse aumento de gastos é que os acidentes ocorridos este ano, embora não tenham sido o dobro do ano passado, foram mais graves, o que elevou o tempo em que o acidentado teve de ficar internado, demandando mais serviços e insumos hospitalares.

E realmente foram mais graves. O Blog apurou que no ano passado 25 dos acidentados graves no trânsito morreram após cinco dias internados. Este ano, o número de vítimas que acabaram falecendo mesmo após terem sido resgatadas com vida e passarem um tempo internadas disparou para 42, a maior parte por traumatismo craniano. Um incontável universo de vítimas está hoje com sequelas graves e afastada das atividades diárias por invalidez.

PRINCIPAIS CONSEQUÊNCIAS DOS ACIDENTES EM PARAUAPEBAS

  • Fratura do crânio e dos ossos da face: 37
  • Fratura de pescoço, tórax ou pelve: 24
  • Fratura do fêmur: 86
  • Fratura de outros ossos: 566
  • Fratura envolvendo múltiplas regiões do corpo: 24
  • Luxações, entorses, distensões: 55
  • Traumatismo do olho: 1
  • Traumatismo intracraniano: 115
  • Traumatismo de outros órgãos internos: 53
  • Lesões com amputações: 17
  • Outros traumas pelo corpo: 120

3 comentários em “Acidente com fratura de osso é causa nº 1 de internações nos hospitais de Parauapebas

  1. Elimarcia Pinheiro Responder

    So a dor de quem perdeu um filho em acidente de moto para um bandido em alta velocidade andando de carro bebado pode falar por mim.. As autoridades desta cidade precisam controlar esse fluxo animal nas ruas de parauapebas pois a situação e critica.. Vamos colocar esses guardas e esses agentes para trabalhar !

Deixe seu comentário

Posts relacionados

%d blogueiros gostam disto: