Vereadora indica a filha para assessoria na Secretaria de Saúde de Parauapebas. Apesar de legal, a atitude é imoral!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A imagem do Decreto nº 1856/2017 (abaixo) assinado pelo prefeito de Parauapebas no dia 22 de agosto nomeando Vitória Lívia Sousa Silva, de 18 anos, como Assessora Especial IV CCA-5, lotada na Secretaria Municipal de Saúde provocou uma grande celeuma nas redes sociais desde sua divulgação. É que a nomeada é filha da vereadora Eliene Soares (PMDB).

Logo que divulgada a imagem começaram os ataques à atitude da vereadora, que teria indicada a filha para o cargo. Acusações de que o ato caracterizaria nepotismo foram logo levantadas.

Não conheço a senhorita Vitória e não posso avaliar suas qualificações para o cargo, porém, apesar de legal, já que o executivo pode sim contratar a filha da vereadora, a indicação é imoral.

A vereadora Eliene, na gestão passada, usou várias a Tribuna da Câmara Municipal de Parauapebas para cobrar veementemente a exoneração de protegidos do prefeito e de seus colegas edis, sendo eles parentes ou não destes. Com a mudança do gestor, a vereadora muda seu discurso, e pior, passou a se beneficiar de atos que tanto condenava.

Uma verdadeira bobagem tudo isso. O salário, de pouco mais de R$4 mil a que a nova contratada irá receber, fará pouca diferença aos cofres do município. Todavia, ratifico, o importante é a atitude da vereadora, que é professora concursada do município e está em seu segundo mandato como vereadora em Parauapebas – portanto não é nenhuma morta de fome que necessita do salário da filha.

Eu, e outros tantos leitores deste Blog, também somos pais de família e queremos o melhor para nossos filhos. Em virtude disso, e com a permissão da nobre vereadora, vai aqui um conselho. Peça ao prefeito para tornar sem efeito este decreto; coloque sua filha Vitória na escola para se preparar para o futuro e quem sabe se formar; não a ensine, desde muito jovem, a ganhar um salário tão alto para os padrões de Parauapebas, já que um dia a política muda e a senhora não poderá usar do seu prestígio político para nomeá-la; use sua influência para indicar alguém que realmente precise do emprego e seja qualificado para ele. Naquele hospital foram demitidos trabalhadores que exerciam suas funções há vários anos, conheço uns que há 18 anos. Não é justo que estes fiquem a ver navios enquanto sua filha recebe o salário.

Discutir se a nomeação da menina Vitória é nepotismo ou não, não vem ao caso agora. Precisamos discutir é que relação institucional há entre um secretário que acata a indicação da filha e a vereadora que indica? Mesmo sendo legal – isso cabe à justiça decidir – tudo isso é bastante imoral!

decreto eliene

Publicidade