Vale extraiu cerca de R$ 60 bilhões do Pará no 1º semestre

Alvo de CPI aberta pela Assembleia Legislativa do Estado, multinacional segue faturando alto e rindo à toa por conta do preço do minério de ferro, cujo produto de Carajás lhe rende um bônus
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A cada dia, a mineradora multinacional Vale fica mais rica sobre o solo paraense. De 1º de janeiro a 30 de junho deste ano, a rainha da mineração, e uma das mais poderosas empresas brasileiras, faturou exatos R$ 59.143.034.776,75 em extração de recursos do Pará. A produção mineral total do Pará no primeiro semestre foi de R$ 65.392.783.336,19, com a Vale bancando 90% dela.

A informação foi levantada com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que analisou dados da Agência Nacional de Mineração (ANM) atualizados nesta sexta-feira (2). No estado onde é alvo de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), a Vale atua por meio de identidade própria (Vale S.A.), que faturou R$ 55.121.126.443,40 no primeiro semestre, e também pela subsidiária Salobo (Salobo Metais S.A.), que retirou R$ 4.021.908.333,35. 

Rindo à toa por conta da subida gloriosa de preço do minério de ferro, seu principal ganha-pão e commodity de que o Pará é o maior especialista global em termos de oferta e qualidade, a multinacional lucra como nunca antes e pode encerrar o ano com R$ 120 bilhões de faturamento só no Pará. 

Se isso acontecer, a Vale, sozinha, poderá fazer a produção de riquezas teóricas do estado – expressa em Produto Interno Bruto (PIB) – ultrapassar a de estados como Pernambuco e Goiás e encostar no Distrito Federal. Mas é só mesmo na teoria das estatísticas. No extremo da alucinação econômica, está um estado com algumas das piores e mais difíceis condições de vida do país: ausência de saneamento básico e de moradia adequada; indicadores de saúde e educação públicas ruins; elevada taxa de informalidade no mercado de trabalho; superconcentração de pobreza extrema nos rincões; e Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) que não decola. É a evidência da riqueza e pobreza de mãos dadas num só casamento.

No ano passado inteiro, a Vale movimentou no Pará, de acordo com a ANM, R$ 86.870.459.474,47. Cálculos do Blog estimam que essa meta será batida no dia 25 de setembro. Em Minas Gerais, onde nasceu, a multinacional retirou só R$ 15.391.171.075,01 no primeiro semestre deste ano. A título de comparação, toda a produção mineral em Minas, por todas as empresas mineradoras, soma R$ 61.365.946.918,17, praticamente o que a Vale sozinha movimenta aqui. 

VEJA O FATURAMENTO NO PARÁ DAS 10 MINERADORAS | 1º SEMESTRE

  1. Vale ― R$ 59.143.034.776,75
  2. Mineração Paragominas ― R$ 1.232.720.376,38
  3. Mineração Rio do Norte ― R$ 795.993.529,20
  4. MM Gold ― R$ 651.338.930,77
  5. Alcoa ― R$ 571.044.573,98
  6. D’Gold ― R$ 557.712.746,82
  7. Carol DTVM ― R$ 356.022.125,44
  8. Parmetal ― R$ 233.131.811,27
  9. Imerys ― R$ 221.085.704,11
  10. Serabi ― R$ 207.820.293,90