Um assaltante morre e outro foge ferido pela mata em operação da Polícia Militar

A caçada aos assaltantes ocorreu na zona rural, a 40 quilômetros da sede de Parauapebas, onde eles se escondiam após cometer assaltos na cidade
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Um homem morto e outro ferido e foragido. Esse foi o saldo de uma operação realizada por homens do 23º Batalhão de Polícia Militar, de Parauapebas, na tarde desta sexta-feira (5). A incursão aconteceu na zona rural, a 40 quilômetros da sede no município, na região da Vila Cedere I, próximo a uma área de extração de areia. Horas depois da ação, já à noite, o falecido foi identificado como Rafael Martins Soares, de 20 anos de idade, que estava cometendo vários assaltos na cidade, na companhia do comparsa que fugiu e de outros dois.

Mais uma vez, a população, por meio de ligação anônima, colaborou com a PM no combate ao crime, informando a localização dos assaltantes. A partir dessa informação, de acordo com o tenente-coronel Gledson Melo de Souza, comandante do 23º Batalhão, uma operação foi montada e iniciou-se uma caçada.

Ao chegar ao local em que estavam escondidos, um barraco de madeira, os suspeitos dispararam contra os policiais militares, que não titubearam em responder, abatendo um dos suspeitos.

O comparsa também foi atingido pelas balas dos policiais militares, mas, mesmo ferido, conseguiu escapar correndo pela mata. O coronel Gledson solicitou reforço e um cerco foi feito para pegar o assaltante ferido, seguindo o rastro de sangue que ele deixou por cerca de 300 metros, mas não foi possível a captura. 

No local, os policiais encontraram os materiais deixados pelo fugitivo: um carregador de pistola calibre 45, duas armas de fabricação caseira, um revólver, munições e um coldre.

De acordo com o comandante, a caçada continua até que o assaltante ferido seja localizado e preso, assim como o restante da quadrilha, pois, segundo o oficial, as informações repassadas para a PM dão conta de que o bando que estava assaltando em Parauapebas era formado por quatro indivíduos. 

Gledson de Souza afirma que, sempre que a Polícia Militar receber uma informação que possa contribuir com a localização de um procurado, após essa informação ser conferida e sua legitimidade constatada, será iniciada a busca, onde quer que o suspeito esteja, como nesse caso, em que os indivíduos nem sequer imaginavam que a PM iria tão longe à caça deles, como supõe o tenente-coronel.

De acordo com a Polícia Civil, os dois homens, em passado recente, já haviam sido presos. O homem que está ferido é conhecido pelo apelido de Nonô. Até a manhã deste sábado (6), nenhum familiar havia se dirigido ao IML de Parauapebas para resgatar o corpo de Rafael.  

(Reportagem: Caetano Silva)