Tucumã: Justiça libera em menos de 24h homem flagrado com 800 gramas de maconha e crack

As drogas estavam no bar do acusado que, segundo levantamento da Polícia Civil era só uma fachada para a venda de entorpecentes
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Causou estranheza em Tucumã, no sul do Estado, a liberação, menos de 24 horas depois de ter sido preso, do comerciante Moisés Fernandes Vieira. Ele foi pego em flagrante por uma equipe da Delegacia de Polícia Civil, na noite de sexta-feira (4), com 500 gramas de crack e 300 gramas de maconha, já embalados, prontos para venda, além de duas balanças de precisão e material para embalagem da droga.

A prisão se deu em um bar no Setor Palmeira I, de propriedade de Moisés Vieira. De acordo com investigações feitas durante a Operação Narco Brasil, o ponto comercial servia apenas de fachada para a comercialização de entorpecentes.

Na noite de sexta-feira, quando a equipe da Polícia Civil, formada pelo delegado Rafahel Machado, investigador Alberto e escrivão Douglas, chegou ao local, Moisés ainda tentou fugir, mas não conseguiu escapar.

Porém, na manhã de sábado (5), teve a prisão relaxada pela Justiça, o que causou estranheza entre pessoas que acompanharam o caso e em policiais veteranos, acostumados a prender pessoas em flagrante por tráfico e mandá-las diretamente para a cadeia.

Moisés Vieira foi enquadrado no artigo 33 da Lei 11.343/2006 ou Lei Antidrogas, que pune com pena de reclusão de cinco a 15 anos quem “importar, exportar, remeter, preparar, produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a consumo ou fornecer drogas, ainda que gratuitamente, sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar”.

“Não deu para entender, o cara vai preso à noite, com o bar cheio de entorpecentes, e pela manhã é solto”, disse um policial à Reportagem, complementando: “Não estou questionando a decisão da Justiça, que deve ser cumprida, mas é estranho”.

Eleuterio Gomes – de Marabá, com informações do repórter Jucelino Show, de Tucumã

Publicidade