TSE cria força-tarefa para combater desvios no fundo de campanha

Banco de dados da Receita Federal cruzará com prestações de contas dos candidatos que contratarem serviços de empresas suspeitas
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) usará uma força-tarefa — integrada pela Procuradora da República, Polícia Federal e Receita Federal — para fiscalizar as contas dos candidatos nas eleições deste ano. Sem as doações de empresas, fundos públicos de R$ 2,5 bilhões bancarão as campanhas. A prestação de contas terá os dados cruzados com os da Receita Federal para checar se o fornecedor de material de campanha, pago com dinheiro público, realmente tinha capacidade de entregar os serviços ou se desviou a verba para outra finalidade, que não a disputa eleitoral.

O TSE informou ainda que treinará funcionários dos tribunais regionais para melhorar a auditoria nas faturas apresentadas por candidatos a governador, a senador e a deputados.

Os candidatos mais conhecidos tiveram tratamento diferenciado por parte de seus partidos, sendo contemplados com verbas milionárias do fundo especial de campanha.

Veja na tabela abaixo, a prestação de contas provisória dos três candidatos mais bem colocados nas pesquisas ao Governo do Pará até o dia 26 de setembro.

Fonte: TSE – Tribunal Superior Eleitoral

Os serviços prestados serão investigados

Verificando as receitas e despesas dos candidatos notamos que parte substancial dos recursos, no campo receitas, é oriunda do fundo especial e de doadores abastados. No caso do candidato Helder Barbalho, um único doador pessoa física, doou R$ 30.000,00. O candidato ao governo também doou recursos destinados à sua campanha para correligionários da Coligação em valores diversos que chegam a R$ 80.000,00, a certo candidato a deputado estadual; mesma prática verificada na prestação de contas dos candidatos Márcio Miranda e Paulo Rocha.

A força-tarefa criada pelo TSE vai verificar com lupa a prestação de contas das campanhas e verificar se os serviços realmente foram prestados ou trata-se apenas de composição de Caixa 2.

É possível verificar também o quanto é cara uma eleição, devido às grandes despesas com produtoras, marqueteiros, instituto de pesquisas para consumo interno, gráficas e deslocamentos por terra, ar e rio, combustível e alimentação. As despesas com impulsionamento nas redes sociais, no caso das candidaturas ao Governo do Pará são consideradas, até o momento, desprezíveis e a arrecadação de recursos via “vaquinhas virtuais”, pelo menos no Pará, não pegou.

Por Val-André Mutran – Correspondente em Brasília
Publicidade

Relacionados