TCU aponta falhas na elaboração do Plano Plurianual do governo federal

Falhas na elaboração do PPA para o período de 2020 a 2023 impedem que ele seja instrumento de planejamento efetivo de médio prazo do Governo Federal
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O Acórdão 2515/2019, do Tribunal de Contas da União (TCU), referente ao processo TC 037.320/2018-1, de acompanhamento da elaboração da proposta de Plano Plurianual (PPA), aponta falhas na elaboração do plano para o período de 2020 a 2023, o que impede que ele seja instrumento de planejamento efetivo de médio prazo do Governo Federal. Essa foi uma das conclusões a que chegou o tribunal no acompanhamento da elaboração de proposta do PPA para o período.

As conclusões do TCU foram enviadas ao Ministério da Economia e à Casa Civil da Presidência da República e devem ser analisadas para as devidas correções, uma vez que o modelo orçamentário brasileiro é definido na Constituição Federal de 1988 pelo conjunto de três instrumentos: o Plano Plurianual – PPA, a Lei de Diretrizes Orçamentárias – LDO e a Lei Orçamentária Anual – LOA.

O PPA, com vigência de quatro anos, tem como função estabelecer as diretrizes, objetivos e metas de médio prazo da administração pública. Cabe à LDO, anualmente, enunciar as políticas públicas e respectivas prioridades para o exercício seguinte. Já a LOA tem como principais objetivos estimar a receita e fixar a programação das despesas para o exercício financeiro.

Assim, a LDO, ao identificar no PPA as ações que receberão prioridade no exercício seguinte, torna-se o elo entre o PPA, que funciona como um plano de médio prazo do governo, e a LOA, que é o instrumento que viabiliza a execução do plano de trabalho do exercício a que se refere.

“Os problemas encontrados podem inviabilizar o acompanhamento e o atendimento das metas estabelecidas e prejudicar a sustentabilidade fiscal, transparência e efetividade dos programas”, diz o acórdão do TCU.

Análise

O Tribunal analisou 29 dos 66 programas finalísticos presentes no projeto de lei relativo ao PPA 2020-2023. As principais falhas foram a falta de coerência entre o problema identificado e o resultado esperado do programa e fixação de metas que declaram a entrega de produtos, mas não os resultados a serem alcançados. Houve ainda insuficiência dos indicadores escolhidos e falta de indicador mensurável.

Como exemplo da falta de coerência entre o problema apresentado e o resultado esperado, tem-se o indicador “percentual de imunobiológicos adquiridos”, dentro do programa de vigilância em saúde.  Para o Tribunal, o indicador é a principal inadequação do programa, pois ele se fixou na aquisição de imunobiológicos, o que não é suficiente para alterar a realidade do problema.

A aquisição dos produtos, por si só, não garante sua efetiva entrega e dispensação à população-alvo, em razão de intercorrências várias, como problemas de logística e perda do prazo de validade. Para o TCU, o indicador deveria ser mais abrangente e buscar medir a mudança da realidade detectada.

“Em linha com o relatório de planejamento desta fiscalização, o presente trabalho voltou-se à identificação de riscos associados à proposta de plano plurianual referente ao quadriênio 2020-2023. As análises empreendidas tiveram como critérios as deliberações anteriores do TCU, visando ao aperfeiçoamento do PPA e do modelo de planejamento do governo federal. Foram detectados riscos, lacunas e oportunidades de melhoria”, aponta a conclusão da fiscalização publicada no acordão.

Além das falhas nos programas, o TCU verificou que não há definição clara de competências e capacidades para o monitoramento e a avaliação do PPA.

A metodologia adotada na elaboração dos programas do PPA 2020-2023 consta do quadro abaixo:

A análise que o TCU faz tem o objetivo de contribuir para que o processo de planejamento governamental resulte em uma proposta que reflita de forma precisa as prioridades de governo e atenda aos preceitos constitucionais. Essa avaliação do processo de elaboração do plano plurianual, considerado instrumento essencial de planejamento de médio prazo e de monitoramento da atuação do governo federal, dá maior efetividade ao exercício do controle externo.

Para o relator do processo, ministro Vital do Rêgo, “falta a definição de requisitos e atributos mínimos que devem constar dos planos estratégicos operacionais, cujas entregas e metas intermediárias são imprescindíveis para o planejamento e atingimento das metas.”

Em consequência do acompanhamento, o TCU fez uma série de recomendações ao Ministério da Economia e à Casa Civil da Presidência da República.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu, em Brasília

Publicidade