Segov e Semed são as pastas mais econômicas da Prefeitura de Parauapebas

Teve pasta que comprometeu mais de 100% do inicialmente previsto, e a Secretaria Municipal de Fazenda teve de oxigenar orçamento dela às pressas para que não “passasse necessidade”
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Que as receitas da administração de Darci Lermen vêm crescendo de vento em popa, escorada na fartura de royalties de mineração, disso todo mundo sabe. Afinal, em apenas um semestre a Prefeitura de Parauapebas faturou R$ 1,25 bilhão, mais dinheiro que o ajuntado por metade das capitais brasileiras no período.

Mas o que todo mundo desconfia — embora só saiba lendo o Blog do Zé Dudu — é que os gastos sejam elevados. E são. As despesas pagas nos primeiros seis meses deste ano totalizaram R$ 968 milhões, de acordo com informações analisadas pelo Blog, que mergulhou na prestação de contas do 3º bimestre do município. Só com a folha de pagamento, que sustenta 10 mil servidores, o governo de Darci gastou R$ 433 milhões de janeiro a junho, e deve desembolsar muito mais este semestre, já que em dezembro é pago o 13º salário.

Ainda assim, você saberia dizer quais secretarias do governo de Parauapebas gastam mais e quais são as mais econômicas? Para responder a essa pergunta, o Blog cruzou dados das funções orçamentárias e das pastas atinentes a essas funções a fim de chegar à conclusão. Isso porque uma mesma função de despesa pode estar relacionada a diversas fontes de orçamento, como a educação, por exemplo, que se relaciona à Secretaria Municipal de Educação (Semed), ao Fundo Municipal de Educação (Fumep) e ao Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Segov e Semed: mais econômicas

Entre as secretarias mais visadas e com superorçamento (mais de R$ 100 milhões), a Secretaria Especial de Governo (Segov) e a Secretaria Municipal de Educação, que controla o Fumep e o Fundeb, são as mais econômicas. Sem considerar verbas de emendas parlamentares indicadas às secretarias, essas duas pastas, juntamente com a Unidade Executora do Prosap (UEP), são modelos de gestão financeira e fiscal a serem seguidos pelas demais.

De janeiro a junho, a Segov, campeã em controle de gastos, utilizou apenas R$ 24,46 milhões de seu orçamento inicial de R$ 105,51 milhões. No semestre, a taxa de comprometimento do orçamento da supersecretaria foi de apenas 23,18%. Cabe à Segov o papel de maestro das finanças públicas municipais e tocar o Programa Municipal de Investimentos (PMI).

A grande surpresa, no entanto, está com uma pasta que, em 2018 e em 2019, passou por grandes aperreios financeiros: a Semed. Com orçamento equivalente ao da Prefeitura de Castanhal, a Semed teve o primeiro semestre mais econômico de sua história. Dos R$ 477,3 milhões de orçamento inicial (sem contar emendas), a secretaria utilizou R$ 204,35 milhões, o correspondente a 42,81%.

O Blog comparou os gastos da Semed deste ano com anos anteriores e constatou que, em todos os últimos dez anos, o orçamento teve de ser oxigenado nos primeiros meses para suportar as previsões de gastos. Em 2019, por exemplo, o primeiro semestre foi encerrado com comprometimento de 70% do orçamento inicial de R$ 308 milhões.

Um detalhe curioso é que muitos podem pensar que a Semed gastou menos porque não está havendo aulas presenciais nas escolas, mas isso não é verdade. As despesas são as mesmas, e algumas até aumentaram, como no caso do cartão Merenda em Casa, que está saindo mais caro para o governo local que oferecer merenda escolar.

Os gastos com empresas terceirizadas seguem fixos, já que os empregos nas terceirizadas (de motorista, vigilante, auxiliar de serviços gerais e merendeira) foram preservados. A única despesa que diminuiu efetivamente em relação aos anos anteriores foi com energia nas escolas e alguns tipos de materiais de consumo (mas com papel, por exemplo, não diminuiu; pelo contrário, aumentou porque as escolas tiveram que oferecer atividade impressa aos alunos).

Por seu turno, a Unidade Executora do Prosap, que coordena as ações do Programa de Saneamento Ambiental de Parauapebas, utilizou na primeira metade do ano apenas R$ 42,26 milhões dos R$ 165,31 milhões inicialmente previstos, o equivalente a 25,56% do total. Outra com orçamento graúdo que teve um semestre econômico foi a Secretaria Municipal de Urbanismo (Semurb), que gastou R$ 52,28 milhões dos R$ 109,05 milhões previstos, o equivalente a 47,94%

A ponta do iceberg: Semma e Semmas

Nem tudo, porém, são flores no universo da prestação de contas da Prefeitura de Parauapebas. A maior parte das pastas gastou muito mais da metade de seu orçamento em apenas metade do ano. O caso mais “escabroso” é o da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), que consumiu R$ 11,91 milhões do orçamento inicial de R$ 11,39 milhões, ou seja, gastou 104,63% do orçamento. Se a Semma fosse uma empresa privada, com capital próprio, teria ido à falência em menos de seis meses de abertura.

Mas, então, como foi possível à Semma pagar mais que o orçamento inicial? Simples: o orçamento da pasta teve de ser oxigenado às pressas pela Secretaria Municipal de Fazenda (Sefaz), tendo seu valor aumentado para, no momento, R$ 27,84 milhões. Não fosse isso, a Semma fecharia suas portas, já que é, hoje, a pasta com a maior explosão de servidores perante seu tamanho. Em junho do ano passado, segundo o portal da transparência, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente tinha apenas 97 servidores e, em junho deste ano, já eram 217, disparada de 124%.

Outra que se tornou bomba-relógio no primeiro semestre deste ano foi a Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas), que teve orçamento inicial de R$ 56,02 milhões, tendo comprometido R$ 50,16 milhões (89,53%) no período. Às pressas, o orçamento ganhou um “plus” de R$ 82,42 milhões para não ter de parar seus serviços.

A Secretaria Municipal de Obras (Semob), dona de superorçamento, é a gigante mais enforcada de todas: usou R$ 110,3 milhões (85,32%) de um orçamento inicial previsto em R$ 129,29 milhões. Ao todo, 15 das 25 pastas com orçamento integrantes da Prefeitura de Parauapebas estouraram mais da metade de seu valor fixado nos primeiros seis meses do ano.

O Blog do Zé Dudu elaborou um “Gastômetro”, com base nos valores informados pela prefeitura no portal da transparência. Confira as pastas que gastaram mais!