Sargento da PM preso por envolvimento na execução de empresário em Marabá

Diego Silva dos Santos, da Polícia Militar, preso em Afuá, se formou policial militar em Marabá, chegou a servir no Tático, depois foi transferido. Atualmente servia naquela cidade do Marajó
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Em operação denominada Tora Bora, realizada simultaneamente em Belém, Parauapebas, Marabá, Tucuruí, Afuá, e nas cidades maranhenses de Açailândia e Imperatriz (MA), a Polícia Civil do Pará cumpriu nesta quinta-feira (28) oito mandados de prisão – sete preventivas e uma temporária – e, ainda, dez mandados de busca e apreensão contra seis envolvidos na morte do empresário, Diogo Sampaio de Souza, em 20 de setembro do ano passado, em Marabá.

Dois dos presos já estão em Parauapebas. Um deles, capturado em Afuá, é o sargento Diego Silva dos Santos, da Polícia Militar, que se formou e serviu em Marabá, no GTO. Ele é apontado como um dos participantes da execução de Diogo de Souza, que era empresário do setor de mineração.

As investigações apontam que os homens presos são envolvidos diretamente na ação criminosa, entre eles: o mandante, motorista, executor, responsável por monitorar a vítima e intermediadores de toda a logística. 

“Trabalhamos intensamente assim como sempre fazemos, para identificar e prender todos os envolvidos no homicídio que vitimou o empresário em Marabá. Após investigação minuciosa, conseguimos obter indícios que apontaram a participação e a conduta de cada na Engenharia criminosa deste audacioso crime. Certamente a ação de hoje é uma resposta à sociedade e à família, mostrando claramente que estamos atuando para combater ações criminosas como essa. Essa ação reafirma o nosso compromisso em não permitir que nenhum criminoso fique impune, pois, os braços fortes do estado irão alcança-los estejam a onde estiverem”, informou o delegado-geral, Walter Resende.

Sócio de Diogo foi o mandante da execução

Segundo a Policia Civil, durante as investigações foi constatado que existia uma discordância e disputas por áreas de mineração entre a vítima e o mandante do crime, uma vez que ambos possuíam empresa mineradora em áreas próximas. As investigações apontaram que o empresário, que já havia sido sócio da vítima, ofereceu e pagou recompensa pelo homicídio contra o também empresário, Diogo.

Durante o cumprimento dos mandados, foram apreendidas uma pistola Glock calibre ponto 40, espingarda calibre 12, revolver calibre 22, pistola PT100, pistola G2C, além de munições, equipamentos eletrônicos, documentações, bem como uma porção de maconha.

Cerca de 100 policiais civis da Divisão de Homicídios, de Belém, e da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core) participam a operação, 32 dos quais estão em Parauapebas.

**Tora Bora é um complexo de cavernas no leste do Afeganistão, que se tornou reduto do Talibã, utilizado por forças militares contra a União Soviética durante a década de 1980.

(Caetano Silva e Eleuterio Gomes, com informações da Polícia Civil)