Roças do sudeste do Pará lideram agronegócio na Região Norte

Fazendas paraenses rendem R$ 13,5 bilhões anualmente, segundo dados inéditos do IBGE. Municípios de Ulianópolis, São Félix, Paragominas, Santa Izabel e Marabá largam na frente.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

De cada R$ 10 produzidos em riquezas pelo Pará, ao menos R$ 1 sai diretamente de 265 mil estabelecimentos agropecuários espalhados pelo estado com produção ativa informada ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), à época do Censo Agropecuário 2017 e cujos resultados definitivos foram liberados no final da semana passada.

A informação foi levantada com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que analisou os números finais e mapeou os municípios que mais contribuem para que o Pará seja, hoje, a décima maior praça do agronegócio brasileira, com produção de R$ 13,54 bilhões em commodities derivadas de lavouras temporárias e permanentes, horticultura, floricultura, produção de sementes e mudas certificadas, produção florestal, pecuária, criação de animais, pesca e aquicultura.

Fazendas, roças, sítios, chácaras e afins geram uma economia anual suficiente para sustentar o estado de Roraima. E é o sudeste do Pará quem apresenta as roças mais produtivas de toda a Região Norte, conforme identificou o Blog do Zé Dudu ao checar a geração de riquezas de todos os municípios brasileiros com produção relacionada.

Soja e madeira

As fazendas de Ulianópolis (R$ 703,01 milhões em produção), São Félix do Xingu (R$ 610,9 milhões), Paragominas (R$ 603,82 milhões), Santa Izabel do Pará (R$ 571,66 milhões) e Marabá (R$ 373,47 milhões) são imbatíveis no estado. Juntas elas geram pelo menos 21% de todo o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio calculado durante o Censo Agro no Pará. Ulianópolis, São Félix e Paragominas, aliás, são respectivamente o 70º, 96º e 100º que mais impulsionam a receita do agronegócio no país. Além deles, Santa Izabel do Pará, na 116ª colocação, triunfa sobre todas as demais localidades da Região Norte. O primeiro município a aparecer na lista de poderosos do mundo agro, depois da presença do quarteto paraense, é o rondoniense Corumbiara (R$ 571,2 milhões), imediatamente atrás de Santa Izabel.

Hoje, dos dez municípios da Região Norte que mais geram riquezas no campo, seis são paraenses, cinco dos quais do sudeste do estado — Santa Izabel não fica no sudeste do Pará, mas a lista tem reforço de Santa do Araguaia (R$ 349,19 milhões). E as razões que tornam essas localidades paraenses grandes redutos agroeconômicos não necessariamente são as mesmas.

O líder Ulianópolis, por exemplo, tem a produção de soja como carro-chefe da economia local, seguida da produção madeireira, que o torna o terceiro maior autor de riquezas advindas de florestas plantadas do Brasil. A soja, diga-se de passagem, é o mesmo ramo em que seu vizinho Paragominas se especializou e neste município o produto divide terreno com o gado de corte. Paragominas é, atualmente, o maior produtor de soja do Pará e um dos maiores do norte do país.

Gado e galinhas

Já em São Félix do Xingu quem domina é a produção de gado de corte e por razões óbvias: o rebanho municipal é o maior do país, composto, segundo o IBGE, por 2,26 milhões de cabeças. Apenas a criação de gado movimenta em São Félix R$ 560 milhões (91% dos R$ 610 milhões gerados anualmente pelo agronegócio local).

Em Santa Izabel do Pará o forte é a criação de galináceos, que, junto com outros rebanhos animais, gera um faturamento de quase R$ 540 milhões anualmente (94% da receita). Vale ressaltar que São Félix e Santa Izabel são, conforme levantou com exclusividade o Blog do Zé Dudu, quinto e sexto municípios do país que mais geram riquezas com pecuária e criação de animais, só perdendo para o capixaba Santa Maria de Jetibá (R$ 1,039 bilhão), o paulista Bastos (R$ 1,005 bilhão) e os goianos Rio Verde (R$ 999,94 milhões) e Nova Crixás (R$ 643,17 milhões).

Marabá, maior praça agroeconômica da região de Carajás, tem na carteira a forte criação de gado para abate e que gera um PIB de aproximadamente R$ 327 milhões (87% da atual produção de riquezas do agronegócio local). O município é a 33ª maior praça financeira de rebanho comercial. Além disso, Marabá disputa o trono com Parauapebas de maior produtor de commodities da aquicultura, ganhando por leve vantagem, pelo valor de R$ 10,2 milhões ante R$ 10 milhões da capital do minério.

Quatipuru (R$ 1,65 milhão anualmente) e Faro (R$ 1,73 milhão) são os municípios do Pará com as menores receitas geradas pelo agronegócio, não movimentando sequer R$ 2 milhões. As roças de ambos são voltadas a pequenas lavouras e criação de gado.

Publicidade

Relacionados