Rio Maria quer hospedar “paletrante” e “proficional” por quase R$ 180 mil

Edital repleto de erros “inprevisiveis” revela que contratação dos serviços de hotelaria se dará quando houver “nescessidades”. Em 2019, contas municipais fecharam com rombo milionário.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O governo local escolheu a modalidade de registro de preços para contratação dos serviços de hospedagem conforme demanda futura e eventual. E por meio de um parágrafo repleto de erros ortográficos defende a contratação. “Justifica-se a contratação dos serviços de hotelaria para atender as secretarias vinculadas à prefeitura municipal de Rio Maria, nos sentidos de programações expostas a comunidade riomariense, quando ser convocado algum paletrante ou proficional da área, que necessitar dos serviços deste genero no municipio, tendo ciência que poderam acontecer outras situações inprevisiveis e emergenciais, a qual o municipio se respaldará no ambito de acomodar os que estiverem a disposição de resolver os problemas, quando houver nescessidades” (SIC).

O curioso é que a errática licitação chega após a prefeitura do município fechar 2019 com um rombo fiscal nas contas de quase R$ 2,19 milhões, de acordo com a prestação de contas feitas por Paulinho aos órgãos fiscalizadores. No ano passado, a administração dele gastou mais do que arrecadou e, por isso, encerrou com déficit fiscal. A receita líquida da Prefeitura de Rio Maria é de R$ 50,5 milhões, e 89,7% da arrecadação vêm de transferências da União e do Governo do Estado.

Publicidade