Reunião com líderes partidários pode definir acordo sobre combustíveis

Projetos que tratam do tema serão analisados
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Reunião do Colégio de líderes será no final da tarde desta segunda-feira (4/10)

Continua depois da publicidade

Brasília – Desde a semana passada, quando a Petrobras anunciou mais um aumento no preço dos combustíveis e do gás de cozinha (GLP), o governo federal e a Câmara dos Deputados buscam uma solução — sem intervenção na política de preços da estatal —, que poça mitigar os efeitos dominó causados na economia com os sucessivos aumentos dos preços, especialmente do diesel e do botijão de 13 kg do gás de cozinha.

Nesta segunda-feira (4), o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), tem uma reunião com líderes de partidos para poder votar, esta semana, projetos relacionados ao preço dos combustíveis.

No fim de semana, foi aventado a possibilidade de estruturar um “fundo estabilizador”, que protegeria os consumidores das oscilações do preço dos combustíveis.

O presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, disse que o lucro e tributos repassados pela estatal à União pode compor esse fundo.

Também está em negociação projeto que trata de um novo modelo para a cobrança do ICMS, imposto estadual, sobre o gás, gasolina e diesel. O texto debatido pela Câmara torna a cobrança uniforme em todo o país, com percentual pactuado entre os estados.

A redação atual, porém, gera resistência de boa parte da Câmara e também de governadores, pois pode causar perda de arrecadação e de autonomia.

Nas últimas semanas, Lira e o presidente Jair Bolsonaro cobraram uma solução para a alta dos preços, que contribui diretamente para a pressão inflacionária. Eles tentam achar soluções para que haja uma queda nos valores cobrados ao consumidor.

Após uma semana de forte pressão sobre a Petrobras, o presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna, afirmou que se o preço da gasolina for represado, o país vai ter desabastecimento.

Segundo ele, não há espaço para uma política artificial de preços, pois a importação responde por cerca de 30% da gasolina e do diesel no país. Ele ressalta que a Petrobras é responsável apenas por uma fração do preço cobrado nas bombas. E atribui a uma tempestade perfeita, causada por fatores como pandemia e crise hídrica, a disparada nos preços.

Na semana passada, a estatal anunciou que destinaria R$ 300 milhões para a compra do botijão por famílias de baixa renda. No mesmo sentido, a Câmara aprovou um projeto, agora em discussão no Senado, que cria um subsídio para a concessão de 50% do valor do botijão aos mais vulneráveis.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.