Raio-X inédito do Blog mostra perdas e ganhos no orçamento de Parauapebas

Educação vai ganhar “uma Xinguara e um Bannach de dinheiro” para as despesas do ano que vem, enquanto saúde vai receber “um Curionópolis”. Agricultura, no entanto, perde importância.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Vivendo um ano esplêndido e retumbante, do ponto de vista financeiro e fiscal, a Prefeitura de Parauapebas quer dar um passo mais largo em 2020. Foi pouca, muito pouca a receita de R$ 1,243 bilhão estimada para 2019, uma vez que a arrecadação real já ultrapassa R$ 1,5 bilhão, e por isso o governo de Darci Lermen elaborou um projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA) para o ano que vem prevendo receitas correntes que totalizam R$ 1,68 bilhão, ou seja, cerca de R$ 440 milhões acima do orçamento inicial deste ano.

A LOA chegou à Câmara para apreciação em 30 de setembro, recebeu parecer jurídico no último dia 15 e, neste momento, está na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) do Poder Legislativo local, aguardando despacho.

O Blog comparou a versão preliminar do projeto da LOA, que está em trânsito na Câmara, com a LOA consolidada de 2019 para avaliar quais serviços públicos serão espécie dos maiores volumes de recursos e concluiu: a receita expressa foi turbinada em 35,2%. A área da educação terá o maior incremento financeiro (quase R$ 140 milhões), enquanto a organização agrária vai sofrer a maior baixa (pouco mais de R$ 20 milhões). Mas, entre todos os serviços essenciais, os que, proporcionalmente, receberão mais afagos da Prefeitura de Parauapebas são a indústria (431% de 2019 para 2020) e o saneamento básico (117%).

Educação e saúde “fermentados”

A área da educação terá ao inteiro dispor impressionantes R$ 447,32 milhões em 2020. É um orçamento 45,2% maior que os R$ 307,97 milhões inicialmente previstos para este ano. O Blog comparou que o futuro orçamento da Secretaria Municipal de Educação (Semed), que atende a 45,6 mil estudantes, é maior que a atual receita líquida inteira da Prefeitura de Castanhal (R$ 394 milhões), que governa para 200 mil pessoas. Se fosse uma prefeitura, a Semed seria a 7ª mais rica do estado, sendo superada apenas pelos governos de Belém, do próprio Parauapebas, de Marabá, de Ananindeua, de Santarém e de Canaã dos Carajás.

Para se ter ideia da força financeira da Secretaria, de um ano para outro o orçamento será fermentado em R$ 139,35 milhões, o suficiente para tocar de uma vez só as prefeituras de Xinguara (R$ 121,01 milhões) e Bannach (R$ 17,99 milhões). O Blog apurou, com base nas prestações de contas oficiais do município, que a primeira vez em que a educação de Parauapebas usou mais de três dígitos de milhão foi em 2010, quando foram liquidados R$ 104,49 milhões.

Já a área da saúde conseguirá, ano que vem, uma “injeção de ânimo” de R$ 84,51 milhões. O atual orçamento da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), que está na casa dos R$ 200,49 milhões (e, aliás, já até estourou), avançará 42,2% para R$ 285 milhões, quantia superior à receita líquida da Prefeitura de Abaetetuba (R$ 249 milhões), que governa para 158 mil pessoas. Dez anos atrás, a despesa com saúde em Parauapebas era de R$ 59,96 milhões.

Dados levantados pelo Blog do Zé Dudu revelam que, dos 208 mil habitantes de Parauapebas estimados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 82 mil são atualmente beneficiários de planos de saúde, segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Resta uma demanda local de 126 mil pessoas em potencial para serem atendidas com os recursos orçamentários de R$ 285 milhões destinados à saúde no ano que vem.

Indústria e saneamento dobrados

Não são conhecidas as razões pelas quais o governo municipal fez, mas fez: inchou em 431,09% o orçamento da função indústria, que saltará dos atuais R$ 1,19 milhão para R$ 6,32 milhões ano que vem. Esse incremento de R$ 5,13 milhões é curioso porque sabidamente Parauapebas não tem vocação industrial que não seja a extrativa mineral realizada pela mineradora multinacional Vale — que, diga-se de passagem, faz o serviço muito bem.

Estaria o prefeito Darci Lermen pensando, secretamente, em impulsionar alguma cadeia industrial no município para destinar tantos milhões de uma hora para outra a uma função de despesa tão inexpressiva e não priorizando outras, como a área de trabalho, cujo orçamento para 2020, em vez de aumentar, foi diminuído? A conferir.

Outro serviço que vai rir às paredes ano que vem é o de saneamento, cujo orçamento evoluiu dos atuais R$ 49,2 milhões para R$ 106,75 milhões, incremento de R$ 57,55 milhões. A área que vai ser turbinada em 116,98% de um exercício para outro tem usufruto polêmico: há anos torra-se dinheiro público com saneamento em Parauapebas, mas a população não vê o resultado prático disso. O esgoto continua a correr, serelepe e a céu aberto, debaixo das narinas de, pelo menos, 85% dos moradores da cidade.

O Blog do Zé Dudu contabilizou, a partir das prestações de contas da prefeitura encaminhadas ao Tesouro Nacional, que em uma década — entre janeiro de 2019 e agosto deste ano — foram liquidados R$ 561.691.970,48 em saneamento, mas absolutamente nada foi feito que justificasse tanto dinheiro que foi pelo ralo. Será, com os R$ 106,75 milhões do ano que vem, a nova oportunidade para o saneamento básico deslanchar em Parauapebas?

Agricultura perde importância

Por outro lado, meia dúzia de áreas tiveram redução de recursos para usar no ano que vem. O serviço de organização agrária encolheu, passando de R$ 20,56 milhões para R$ 378 mil, perdendo, assim, 98% de seu valor. A área de esporte e lazer também será enfraquecida, de R$ 22,35 milhões para R$ 6,31 milhões, uma redução de 72%.

As áreas de agricultura (redução de R$ 22,72 milhões para R$ 15,7 milhões) e cultura (de R$ 15,58 milhões para R$ 9,42 milhões) também assistiram ao encolhimento de mais de 30% de seus orçamentos. Na cultura, é salutar que menos festas — que em nada socialmente agregam ao desenvolvimento local — sejam realizadas para dar lugar a mais obras e serviços públicos essenciais.

Porém, a retirada de orçamento para investimentos na agricultura é preocupante porque a produção agrícola é a única atividade real que Parauapebas teria para sobreviver, neste momento, num hipotético cenário de exaustão de suas minas de ferro, que hoje alimentam a economia local. Além disso, segundo o IBGE, a produção agrícola de Parauapebas vem encolhendo. O município perdeu R$ 52,2 milhões em produção de 2017 para 2018 (ou 39%). Ano passado, a produção de commodities agrícolas foi de R$ 82,5 milhões, bastante inferior aos R$ 134,8 milhões movimentados em 2017. O Blog do Zé Dudu repercutiu a questão em reportagem de setembro (veja aqui).

Relacionados