PM prende matadores de jovem logo após o crime, em Parauapebas

O assassinato aconteceu na madrugada deste sábado e teria sido motivado por vingança. Mesmo tendo sido reconhecidos pela mãe da vítima, acusados negam a execução
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Estão presos na 20ª Secional Urbana de Polícia Civil de Parauapebas, desde a madrugada deste sábado (26), Nathanael Sousa Gomes e Cleiton Sobrinho Peres, ambos de 19 anos. Eles são acusados de terem assassinado, com um tiro no ouvido, por volta das 3h, Wallas Gomes Leitão, 24. O crime, que aconteceu na Rua Café Filho, no Bairro Altamira,  foi motivado por vingança, uma vez que Wallas teria emprestado um facão a um amigo durante uma briga, na qual Nathanael foi atingido com um golpe na cabeça.   

Após a briga, segundo a mãe de Wallas – que pediu sigilo de sua identidade -, Nathanael disse que se vingaria do rapaz, por ter colaborado com o amigo, emprestando a arma branca.

Por volta das 3h, conta a mulher, que morava com o filho em uma casa de madeira de dois cômodos, eles ouviram batidas na porta. Wallas se armou de facão, não abriu imediatamente e ouviu um dos jovens gritar que, caso não abrisse, ele arrombaria.

Wallas, então, abriu, mas não houve tempo de reagir, teve a arma apontada para si, por Nathanael, enquanto Cleiton apontava outra arma para a mulher, ameaçando-a de morte, caso houvesse reação ou alarde. Em seguida, Nathanael matou o filho dela.

Após o crime, ambos fugiram do local correndo e a Polícia Militar foi chamada. A mulher relatou o que havia acontecido e disse ter identificado o assassino, informando, inclusive, o endereço dele, na Rua Cristovam Colombo, no mesmo bairro, três ruas após a casa em que ocorreu o homicídio.

Um guarnição da PM, comandada pelo sargento Gidel, foi até o endereço e prendeu Nathanael, que, para não ficar no fogo sozinho, apontou o amigo Cleiton como coautor do assassinato e até informou o endereço dele, onde a polícia o capturou.

A Polícia Civil teve conhecimento de que um dia antes do crime, os dois acusados foram vistos planejando a execução de Wallas Gomes Leitão e, embora testemunhas afirmam terem visto os dois portando cada um uma arma de fogo logo após a execução, essas armas não foram encontradas. Para a Reportagem do Blog, Nathanael Sousa Gomes e Cleiton Sobrinho Peres negaram a autoria do crime.

(Caetano Silva)

Publicidade

Relacionados