Puxada por Carajás, atividade industrial do Pará cresce mais de 2% em março

Desempenho fenomenal do estado nas estatísticas de produção mostra que o gigante do Norte venceu meses mais duros da pandemia de Covid-19 e ostenta “boletim econômico” todo azul
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O desempenho da indústria paraense vai muito bem, obrigado. Nesta terça-feira (11), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou levantamento da Produção Industrial Mensal (PIM) referente a março, e o Pará é uma das poucas Unidades da Federação do país que reportou crescimento na atividade produtiva de um mês para outro: 2,1%. Só o estado do Amazonas cresceu mais, com taxa de 7,8%. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu.

O Pará está no azul e bem na foto em todas as frentes de comparação envolvendo março. Só ele e Minas Gerais conseguiram o feito de manter índices positivos no confronto de março com fevereiro deste ano; de março deste ano com março do ano anterior; de janeiro a março deste ano; e de abril de 2020 a março de 2021. Além de ter crescido em relação a fevereiro, março deste ano apresenta desempenho 8,1% acima de março do ano passado; 3,1% no acumulado de janeiro a março, ou seja, no primeiro trimestre; e 0,9% no acumulado de 12 meses, mostrando que o estado venceu, do ponto de vista econômico, a guerra contra os meses mais duros da pandemia de coronavírus.

A grande responsável pelos indicadores positivos do Pará é a província mineral de Carajás, que, escorada na produção de minério de ferro de elevado teor, tem nos municípios de Canaã dos Carajás e Parauapebas o sustentáculo dos bons índices. A produção de Carajás, principalmente na Serra Norte, dentro dos limites de Parauapebas, está sensivelmente maior que no ano passado, e isso tem favorecido ao Pará manter-se com números de produtividade acima da média.

Além disso, a retomada das operações na mina de Serra Leste, em Curionópolis, deu gás à produção, embora seu impacto contábil nem de longe se iguale às operações de seus vizinhos. Dados levantados pelo Blog mostram que, no primeiro trimestre deste ano, Carajás rendeu 41,3 milhões de toneladas de minério de ferro, enquanto no mesmo período do ano passado foram 40,08 milhões de toneladas de minério de ferro.

Publicidade