Projeto vai regularizar turismo rural

Propriedades rurais poderão se cadastrar como prestadoras de serviços turísticos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Turismo rural pode incrementar renda de agricultores familiares

Continua depois da publicidade

Brasília – O projeto de lei nº 4.396/2020 aprovado na Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados altera a Política Nacional de Turismo (Lei 11.771/08) para permitir que as propriedades rurais sejam cadastradas como prestadoras de serviços turísticos.

A proposta tinha o objetivo mais urgente de garantir o acesso desses proprietários, principalmente os da agricultura familiar, às medidas emergenciais de auxílio ao setor turístico para minimizar o impacto da pandemia do coronavírus. Mas ao propor uma regularização mais simplificada e desburocratizada, traz outros benefícios, como explica o autor, deputado Evair Vieira de Melo (PP-ES).

De acordo com o deputado capixaba, cerca de 80% dos empreendimentos de turismo rural são informais. As dificuldades de legalização da atividade passam, muitas vezes, pela burocracia para comprovar que, além de agricultura e pecuária, outra atividade econômica da propriedade do campo é o recebimento de visitantes.

“Uma vez que o chamado ‘público urbano’ começa a descobrir o encanto que é visitar uma propriedade, poder adquirir o produto dessa propriedade, criar uma relação de proximidade com o setor produtivo, o turismo se caracteriza, sim, como uma atividade complementar. Quando evolui, acaba se tornando até a atividade principal. Mas o nosso principal objetivo, com o agroturismo e o turismo rural, é fazer essa integração”, explicou o parlamentar.

Durante a reunião da Comissão de Agricultura em que o projeto foi aprovado, os parlamentares deram exemplos de iniciativas bem-sucedidas de turismo rural. O deputado Celso Maldaner (MDB-SC), por exemplo, falou da atração dos turistas pela produção de uvas, vinhos e doces em seu estado.

Ele elogiou a proposta por dar mais uma opção de renda ao agricultor familiar.

“O homem do campo tem que ter as mesmas condições do homem da cidade, principalmente o agricultor familiar, que bota a comida na mesa. Então eu acho que, cada vez mais, nós temos que nos dedicar à agricultura familiar, porque é orgulho defender os nossos agricultores que colocam a comida na mesa”, disse Maldaner.

O projeto que regulariza o turismo rural como segunda atividade das propriedades do campo ainda vai ser examinado por outras três comissões. Depois, pode ir direto para o Senado sem precisar passar pelo Plenário da Câmara.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.