Procuradoria da Câmara leva governo Darci a ajustar projeto de cargos e salários

Órgão de assessoramento legislativo deu parecer de legalidade parcial ao texto e detonou o artigo 6º, que reivindica aumento para cargos de coordenador de licitações e de arrecadação.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

No que depender da Procuradoria Especializada de Assessoramento Legislativo da Câmara de Parauapebas, o projeto de lei de número 101/2019, de autoria do prefeito Darci Lermen, precisa ser revisto e melhorado. O órgão da Casa de Leis observou ilegalidade em um trecho do texto, especificamente no artigo 6º, e detectou divergência na nomenclatura de cargos que o governo municipal pretende criar na estrutura da Secretaria Municipal de Finanças (Sefaz).

Noticiado no Blog do Zé Dudu na sexta-feira da semana passada, dia 15 (relembre aqui), o projeto de lei causou muita repercussão nas redes sociais ao propor a criação de dois cargos de livre nomeação na Sefaz, o de diretor de contabilidade e orçamento e o de diretor financeiro e de tesouraria, com salário de R$ 12.808,68. E também por reivindicar a elevação de salário dos cargos já existentes de coordenador de licitações e contratos e de coordenador de arrecadação, cuja remuneração pularia de R$ 8.132,49 para R$ 13.824,00, ficando compatível com os ganhos de um secretário de governo.

No entendimento do procurador legislativo Cícero Barros, que analisou o projeto de lei e emitiu parecer no último dia 18, há ilegalidade no artigo 6º, que pede o aumento de salário para os cargos de coordenador de licitações e de arrecadação, porque o governo não enviou anexo ao texto o demonstrativo de despesa para suportar a medida. Ele recomendou uma emenda supressiva ao artigo em questão para que o projeto siga sem vício de ilegalidade (veja a íntegra do parecer aqui).

Houve também problema na discriminação do nome dos cargos que se quer criar, por meio dos artigos 3º (diretor de contabilidade e orçamento) e 4º (diretor financeiro e tesouraria). Acontece que no primeiro anexo do projeto os cargos são nominados como “coordenador” (e não diretor), razão pela qual o procurador orienta o Poder Executivo a escolher um nome definitivo para usar e chamar de seu.

Emendas ao projeto

Para não enfrentar resistência e cumprir as orientações legais do procurador, o governo municipal apressou-se em encaminhar à Câmara duas emendas ao projeto: a de número 20, modificativa, adequando a nomenclatura dos dois novos cargos para coordenador (e não mais diretor); e a de número 21, supressiva, pedindo a retirada do artigo 6º, que trata do aumento para coordenador de licitações e coordenador de arrecadação.

O projeto de lei continua a tramitar na Câmara e neste momento encontra-se na Diretoria Legislativa, após deixar, na última quarta-feira (20), a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ), que tem como presidente o vereador Ivanaldo Braz. A Diretoria Legislativa encaminhou memorando à CCJ pedindo a devolução do projeto de lei para inclusão de emendas.

Impacto financeiro

De acordo com o prefeito Darci Lermen, as alterações orçamentárias para consolidar as mudanças propostas totalizam R$ 88.170,32. Ele observa que o impacto orçamentário é modesto e que as despesas criadas cabem no bolso da Prefeitura de Parauapebas, sem levar o município a infringir a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O prefeito destaca que as alterações solicitadas têm em vista “contribuir para a eficiência da gestão pública”.

Defensores da medida dentro da ala governista dizem que a criação dos cargos de coordenador de contabilidade e orçamento e coordenador financeiro e de tesouraria reconhece, formalmente, o trabalho dos profissionais que, no mais das vezes, não têm sequer fim de semana e dia santo, trabalhando em prol da organização das contas do município, de sua boa imagem fiscal e, lá na ponta, dos serviços essenciais que chegam à população.

Relacionados