Primeira mulher no Pará opera trem de cargas em viagem na Ferrovia Carajás

Michele Lima é única maquinista de viagem na Estrada de Ferro Carajás. Ela opera trem de carga, com mais de 3,3 km de extensão.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Esta semana, no dia 20, foi comemorado o Dia do Maquinista. Uma profissão que há mais de 160 anos, transporta cargas e passageiros por meio das ferrovias brasileiras. No Pará, a marabaense Michele Lima comemora, nesse período festivo, sua primeira viagem operando um trem de cargas entre cidades na ferrovia Carajás operada pela Vale no Pará e Maranhão. Hoje ela é a única maquinista mulher na EFC no comando desse veículo em deslocamentos intermunicipais. 

“Entrei na Vale em 2005 como oficial de pátio, passei para maquinista de pátio e hoje tive o privilégio de ser a primeira mulher a conduzir um dos maiores trens do mundo no Pará”, comemora Michele..

Segundo Michele, operar um veículo com dimensão quilométrica (são mais de 3,3 km de extensão), pode parecer muito desafiador, considerando ainda o fato de ser uma profissão predominantemente masculina, mas não foi para ela. “Foi como andar de bicicleta, depois que você aprende a primeira vez, você vai longe”, conta ela sorrindo.

O trem é considerado um dos meios de transporte mais seguros e mais ecologicamente corretos. A Estrada de Ferro Vitória a Minas e a Estrada de Ferro Carajás (EFC) ambas administradas pela Vale foram consideradas pela Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT), as ferrovias mais seguras no Brasil no último ano. Ambas atuam no transporte de minério e de cargas em geral como soja e milho.

Sobre o dia do maquinista

A data foi instituída em 2012, pelo Decreto de Lei nº 12.621 em homenagem à fundação da Associação dos Maquinistas e Ferroviários de São Paulo inaugurada em 20 de outubro de 1907. A primeira ferrovia do Brasil foi inaugurada em 1854 com 14,5 km ao fundo da baía da Guanabara, atualmente município de Magé no Rio de Janeiro.