Prefeituras do Pará recebem mais “boladinha” de royalties nesta quinta

Estraçalhados por volúpia da EFC, municípios de Marabá, com mais de R$ 2,3 milhões, e Bom Jesus do Tocantins, com quase R$ 1 milhão, acordaram felizes da vida ao puxar extrato no BB.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Os prefeitos de municípios diretamente impactados pela atividade mineradora amanheceram nesta quinta-feira (20) correndo loucamente para conferir o extrato da conta bancária na qual receberam mais uma boladinha de royalties de mineração, que, aqui no Pará, vai de R$ 17, em Santa Luzia do Pará, a mais de R$ 2,3 milhões, em Marabá. As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que desde ontem (19) acampou na Agência Nacional de Mineração (ANM) à espera de uma das listas mais aguardadas do mês para prefeituras como a de Bom Jesus do Tocantins, que viu a conta bancária ser “atormentada” por valores que nem o governo municipal fazia ideia de que fosse merecedor.

A cota da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (Cfem) que está chegando agora não é aquela habitual, que o Blog do Zé Dudu sempre anuncia de forma inédita todo início de mês, antes mesmo de a ANM consolidar o cálculo. Aquela cota geralmente é paga no meio do mês. Agora em agosto, por exemplo, foi creditada na última segunda (17) — Marabá recebeu R$ 7,694 milhões nesse dia.

O dinheiro que entrou na conta hoje é referente ao impacto da mineração em municípios não produtores, mas de alguma forma atingidos pela atividade minerária dos arredores. Marabá é o campeão paraense nesse tipo de arrecadação porque tem seu território dilacerado pela Estrada de Ferro Carajás (EFC) que alimenta a logística de produção de minério de ferro em Parauapebas e em Canaã dos Carajás. Logo, os R$ 2,364 milhões nos quais o prefeito Tião Miranda já deu uma espiadinha nesta quinta nada têm a ver com a produção de cobre em Salobo ou de manganês na Buritirama.

O segundo maior sortudo do dia é Bom Jesus do Tocantins, e pelas mesmas razões técnicas que Marabá: o município é atravessado pela EFC. Bom Jesus não tem atividade mineradora capaz de despejar na conta da administração os R$ 912 mil que entraram hoje. Em um ano, a receita do pacato município já aumentou em mais de R$ 10 milhões apenas com esse tipo de “ganho inesperado”.

Ao todo, 22 prefeituras paraenses terão direito à cota dos afetados. Além de Marabá e Bom Jesus, Almeirim (R$ 302,1 mil), Água Azul do Norte (R$ 167,6 mil), Barcarena (R$ 139,5 mil) e Cumaru do Norte (R$ 102,9 mil) ultrapassam a centena de milhar em faturamento. A lista completa dos beneficiários, no Pará e no Brasil, você pode conferir abaixo.