Prefeitura de Marabá vai custear transporte de servidores por R$ 15 milhões

Medida vai alcançar quase 4.400 servidores de todas as pastas do Poder Executivo municipal. Integração, atual permissionária do transporte coletivo marabaense, vai garantir deslocamentos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O governo de Tião Miranda acaba de fechar contratação do fornecimento de vale-transporte (em cartão eletrônico) visando ao deslocamento dos servidores da Prefeitura de Marabá. Por meio de um processo de inexigibilidade de licitação no valor de R$ 15,09 milhões, 4.368 servidores serão alcançados, de acordo com cálculos elaborados pela Secretaria Municipal de Administração (Semad). As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu e estão disponíveis aqui.

Esse é o maior programa de financiamento de transporte de servidores públicos do interior do estado. Segundo a prefeitura, o procedimento não exige licitação por conta da inviabilidade de competição — só tem uma empresa que explora o transporte coletivo de Marabá. A Integração, que assumiu o transporte público na cidade de Marabá ano passado, fez a proposta comercial ao governo local, que confirmou o valor, tendo em vista que está em linha com o número de servidores informado pelas secretarias e com o preço da passagem vigente. A Integração tem direito a explorar o transporte coletivo em Marabá por até 20 anos e é a única que presta o serviço no município.

A Prefeitura de Marabá estima desembolsar R$ 1,258 milhão por mês para custear o deslocamento, quatro vezes por dia, dos servidores. As secretarias de Saúde (1.384) e Educação (910) são as que têm os maiores contingentes de beneficiários do vale-transporte, enquanto a de Turismo e o Instituto de Previdência Social dos Servidores Públicos do Município de Marabá (Ipasemar) têm apenas cinco beneficiários cada.

Rica e equilibrada

O desembolso de R$ 15 milhões com vale-transporte dos servidores é graúdo, mas Marabá aguenta. Hoje, a prefeitura local é a 4ª mais rica do Pará — atrás de Belém, Parauapebas e Canaã dos Carajás — e carrega nas costas uma das menores despesas proporcionais com o funcionalismo do estado. A partir de uma política agressiva de arrocho salarial nos últimos quatro anos, obrigado pelas circunstâncias para retirar Marabá da mira da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), já que em 2016 o município comprometia 60% de sua receita líquida com servidores, o prefeito Tião Miranda hoje goza de um excelente equilíbrio fiscal, tanto na despesa com pessoal quanto com despesas inferiores às receitas.