Policiais do Bope concluem curso de especialização em técnica de explosivos

O curso foi promovido pelo Grupamento de Manejo de Artefatos Explosivos (Marte) da Polícia Militar do Amazonas. Dois policiais do Bope fizeram a especialização, que vai auxiliar nos trabalhos de investigação e perícia em explosivos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Dois policiais que atuam no Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da Polícia Militar do Pará se especializaram como técnico de explosivista policial, realizado em Manaus e promovido pelo Grupamento de Manejo de Artefatos Explosivos (Marte) da Polícia Militar amazonense. A especialização vai possibilitar aos militares fazer laudos e relatórios, que irão subsidiar investigações em explosivos.

Fizeram a especialização, concluída no último fim de semana, o cabo Renan Barbosa e o soldado Paulo Batista. O curso teve duração de três meses e habilitou os policiais a confeccionarem relatórios técnicos e laudos periciais especializados sobre explosivos, subsidiando a Polícia Civil nesse tipo de investigação.

Segundo a PM, na parte teórica, os alunos tiveram instruções voltadas para as áreas da matemática, química, física e conhecimentos gerais, enquanto na parte prática, entre outros exercícios específicos, foi ministrado treinamento físico militar para que, além de dominarem a atividade, executando repetidamente os movimentos feitos pelo técnico explosivista, pudessem suportar o traje utilizado, que pesa, em média, 50Kg.

“Fica o sentimento de dever cumprido, pois tínhamos necessidade de formar novos técnicos explosivistas. Fica também o sentimento de responsabilidade adquirida, já que sabemos dos riscos e da dificuldade do serviço que vamos prestar. Todo o conhecimento adquirido é altamente exclusivo aos profissionais da área”, frisou o cabo Renan Barbosa.

Para o soldado Paulo Batista, a experiência intensa proporcionou conhecimentos estratégicos para a atividade que vão passar a exercer no Bope a partir do curso. “O técnico explosivista precisa ter controle sobre o seu próprio corpo para conseguir atuar em uma situação limite com todo o conhecimento adquirido da forma mais eficiente, já que se trata de vidas que estão sendo atendidas”, destacou.

De acordo com a Polícia Militar, os técnicos devem atuar em ocorrências de localização, desativação e destruição de artefatos explosivos improvisados (IED) e industrializados (EOD), além de gerenciamento de eventos críticos, que envolvam ameaças de bombas, e realização de vistorias antibombas em locais de grandes eventos.

Tina DeBord- com informações da Polícia Militar

Publicidade