Polícia Militar testa novos fuzis com alta precisão de tiro

O armamento foi adquirido através de convênio com o Banco Central do Brasil e será usada pela tropa de elite da PM
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Polícia Militar do Pará realizou ontem (20) testes de tiro com os novos fuzis adquiridos por meio de convênio firmado entre a corporação e o Banco Central do Brasil. Os testes foram feitos no estande de tiro do Centro de Treinamento da Polícia Militar (CTPM), no distrito de Outeiro, em Belém.

O teste do armamento foi realizado por policiais militares que compõem o Comando de Missões Especiais (CME) e acompanhados pelo comandante-geral da Polícia Militar, coronel Dilson Júnior, na companhia de oficiais do alto comando da corporação.

Os fuzis adquiridos, cinco no total, são de precisão tática, calibre 7.62, modelo AR 10 TAC 18 e vêm acompanhado de supressor de ruído, mira telescópica e tripé. Segundo o comando da Polícia Militar, o armamento será utilizado pelo Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e é orientado para uso em gerenciamento de crises, como nos casos de tomada de refém, quando não for possível a rendição do causador por meio de negociação.

Na avaliação do 2º tenente Leão Machado, um dos dois atiradores de elite da PM, o fuzil é um avanço em relação aos adquiridos anteriormente, sobretudo com relação à velocidade e eficiência do disparo. “Por ser um fuzil semi-auto, ele garante o engajamento de alvos múltiplos, sem essa necessidade de perder o contato visual com o alvo. Outra ponto positivo é em relação ao implemento óptico, que é uma luneta ‘’night force’’, uma luneta de primeira linha que me dá uma autonomia visual e um aumento  de 16 vezes. Por exemplo, se um alvo está a 160 metros de distância, eu o enxergo como se ele estivesse a dez”, explicou o oficial.

Se aprovados definitivamente nos testes que estão sendo realizados, os fuzis passam a fazer parte do Bope. A meta do alto comando da PM é promover, ainda no segundo semestre deste ano, se possível, um curso de capacitação para  difundir as técnicas de uso do armamento, com policiais militares da capital e do interior do estado.

“Temos agora condições de ser polo de formação, não só para a nossa tropa, já que temos as Companhias Independentes de Missões Especiais em Marabá, Santarém e Castanhal, mas também para todas as polícias da Região Norte. Hoje a PM do Pará é a que tem o melhor equipamento, uma referência em termos de treinamento para sniper”, ressalta o comandante-geral da PM.

Ele também adianta que entre as metas da instituição está a aquisição de equipamentos acessórios. “Vamos tentar adquirir equipamentos de visão noturna e câmera térmica que podem identificar um alvo, mesmo atrás de uma mata. Isso para nós é importante, até porque temos ocorrência de assaltos a bancos no interior do estado, em que a tropa do Bope é utilizada para a captura dos assaltantes”, acrescentou comandante.

(Tina Santos-com informações da Polícia Militar)

Publicidade