Polícia Civil prende assassino de garçom em menos de 24 horas após o crime

O homicida confesso disse que desde 2012 tinha uma rixa com o garçom, por conta do furto de um celular. E afirmou que, de lá para cá, se sentia ameaçado de morte pela vítima
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Já se encontra preso, à disposição da Justiça, o armador Fábio Anjos da Silva, 33 anos de idade, capturado pela equipe de policiais civis da 20ª Seccional Urbana composta pelo delegado plantonista Nelson Alves Júnior, investigadores Fátima e Williams, e pelo escrivão Leonardo.  Ele foi pego às 12h30 deste domingo (23), em casa, no Bairro da Paz, menos de 24 horas após ter assassinado o garçom Fledson Reis Silva, por volta das 17h deste sábado (22), no Bairro Novo Horizonte.

Fábio Silva foi flagrado por câmeras de monitoramento próximas ao local do crime, que filmaram o homicídio, ocorrido da esquina da Rua Grécia com a Avenida Nicodemos. A vítima era Fledson Reis da Silva, 35 anos de idade, natural de São Domingo do Araguaia. O crime ocorreu na calçada do bar onde a vítima trabalhava como garçom e onde estava sentado em uma cadeira, no momento em que sua vida foi ceifada a facadas.

Interrogado pela polícia sobre o assassinato de Fledson da Silva, também conhecido como Pangaré, Fábio respondeu que conhecia o garçom desde outubro de 2012, ocasião em que este lhe teria furtado um aparelho celular e escondido na cueca. Na época, ainda segundo Fábio Anjos, houve luta corporal entre os dois e ele conseguiu recuperar celular.

O homicida confesso relata ainda que, após esse fato, um amigo teria lhe alertado de que Fledson o estaria ameaçando de morte. Ele disse que, na época, teve de mudar de endereço com medo de ser assassinado, e só retornou a Parauapebas em 2020.

Logo após seu retorno passou a andar armado de faca e, dias depois, encontrou Fledson na praça da Escola Faruk Salmen, jogando bola, ocasião em que teria se sentido ameaçado, pois Fledson o teria encarado.

Ele disse que neste sábado, minutos antes do crime, viu o desafeto sentado na calçada e se dirigiu ao garçom perguntando: “Parceiro, tu tá lembrando de mim?”. Ao que Fledson sorriu e, zombando, continuou mexendo no celular. Isso irritou Fábio, que partiu para cima do garçom, matando-o. Em seguida, teria fugido correndo para sua residência.

Fábio disse ainda à polícia que não planejou o crime e que foi uma coincidência encontrar Fledson no bar. Informou que consumiu bebida alcoólica e que se sentiu extremamente ameaçado pelo homem que acabou matando, mesmo sem saber se ele estava ou não armado.

Quando a polícia chegou à casa do acusado, ele ainda tentou fugir pelo telhado, mas foi impedido pelos policiais, que também encontraram as roupas usada por Fábio no cenário do crime, dentro de um tanquinho com água. As peças foram recolhidas e levadas para a delegacia.

(Caetano Silva)

Publicidade