Parauapebas terá Núcleo Avançado do CPC "Renato Chaves"

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

IML ParauapebasO Comitê Integrado de Gestores da Segurança Pública (Cigesp) aprovou na manhã desta terça-feira, 14, durante reunião do colegiado na sede da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), em Belém, um Termo de Acordo de Cooperação Técnica entre o Centro de Perícias Científicas (CPC) “Renato Chaves” e a Prefeitura Municipal de Parauapebas, no sudeste do Pará, para a construção do Núcleo Avançado do CPC “Renato Chaves” naquele município.

Pelos termos do convênio, a Prefeitura de Parauapebas deverá ceder um espaço físico, com estrutura e adaptações necessárias para a realização dos serviços de perícias criminais do Instituto de Criminalística (IC) e Instituto Médico Legal (IML), além de disponibilizar 26 servidores públicos, entre auxiliares de Enfermagem, motoristas, vigilantes, assistentes administrativos, peritos criminais e médicos para a qualificação e capacitação dos técnicos que vão atuar no órgão.

O IML disponibilizará os serviços de Perícia no Vivo como lesão corporal e crimes sexuais, além de Perícia no Morto, com os trabalhos de necropsia e remoção cadavérica. O IC oferecerá as perícias de local de crime contra a vida, dosagem alcoólica e constatação e definitivo de drogas, para fins de flagrante. Perícias mais específicas, que precisem de análises mais detalhada, poderão ser encaminhadas à sede do Centro, em Belém.

Atualmente, além da sede da instituição, em Belém, o CPC “Renato Chaves” possui Unidades Regionais (UR) em Castanhal, Marabá, Santarém e Altamira e os Núcleos Avançados (NA) de Abaetetuba, Bragança, Tucuruí, Paragominas e, agora, Parauapebas, totalizando quatro unidades e cinco núcleos, que atendem várias regiões do Estado com as perícias de criminalística e medicina legal.

Segundo o coordenador das Unidades Regionais do CPC “Renato Chaves”, Alexandre Ferreira, o CPC já estuda a descentralização da perícia a outras regiões, ainda não atendidas. “Já trabalhamos conjuntamente com a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) num projeto que pretende descentralizar a perícia paraense, estendendo-a para outras regiões do Estado, como o oeste e o Marajó. Nosso objetivo é atuar nas Regiões Integradas de Segurança Pública, que reorganizam o atendimento da Segup em áreas específicas de atuação. Ainda estamos em fase de planejamento e pesquisa, pois este tipo de trabalho envolve um processo de viabilidade técnica muito complexo”, explica.

O Cigesp é presidido pelo secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, Luiz Fernandes Rocha. Integram a entidade, todos os dirigentes dos órgãos do Sistema Estadual de Segurança Pública e Defesa Social (Segup, Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Superintendência do Sistema Penitenciário, Departamento Estadual de Trânsito e Centro de Perícias Científicas “Renato Chaves”).

Por Lene Alves – SEGUP, com colaboração de Nil Muniz – Ascom CPC “Renato Chaves”

Publicidade