Parauapebas: Semsa compra ambulância por R$ 167 mil e remove cadáveres por R$ 280 mil

Secretaria de Saúde não mede esforços financeiros para “humanização” aos vivos e “respeito e dignidade” aos mortos. Despesas foram publicadas no Diário Oficial da União desta quarta.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

A saúde de Parauapebas está com tudo para ser a melhor do Brasil, a julgar pelos gastos recorrentes assinalados no Diário Oficial da União (DOU). Nesta quarta-feira (3), deu no DOU a notícia das duas mais novas aquisições da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa): a compra de uma ambulância por R$ 166.900 (veja aqui) e a contratação de uma funerária para remoção de corpos de pacientes que falecem durante tratamento fora do município por R$ 279.422 (veja aqui).

De acordo com a Semsa, a ambulância é necessária para garantir a agilidade no atendimento a pacientes. A que está sendo adquirida é um veículo para reposição de frota, tendo em vista o fato de que uma das ambulâncias envolveu-se em acidente e deu perda total. Os recursos para a compra são oriundos de emenda parlamentar.

“Com a aquisição desta ambulância”, diz justificativa da Semsa, serão proporcionados “humanização e melhoria na qualidade dos serviços oferecidos à população”.

Com relação à contratação dos serviços funerários, a Secretaria Municipal de Saúde alega que, quando um paciente que está em Tratamento Fora do Domicílio (TFD) falece, ela, a Semsa, tem de se responsabilizar pelo traslado do corpo e as despesas correlatas, conforme orienta uma portaria do Ministério da Saúde.

“Nesse contexto, vale destacar que todo ser humano, ao morrer, tem o direito de ter seu cadáver tratado com respeito e dignidade”, justifica texto da Semsa que embasa a contratação do serviço. Segundo a pasta, se o serviço não for realizado, “consequências humanas e de ordem social irreparáveis poderão ser geradas” à população de Parauapebas.

Relacionados