Parauapebas é uma das 40 cidades que mais emplacaram veículos no Brasil

Foram mais de 6.100 carros e motos adquiridos na capital do minério, batendo Marabá, onde os emplacamentos somaram quase 4 mil. Redenção, Tucumã e Xinguara lideram densidade
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Crise em 2020? Que crise, que nada! Os moradores de Parauapebas desconheceram essa palavra no difícil ano da pandemia do novo coronavírus que ora finda. A capital nacional do minério de ferro prosperou tanto que, mesmo não tendo uma das cem maiores populações do país, está encerrando o ano como a 34ª cidade brasileira onde mais veículos novos foram emplacados no decorrer de 2020.

As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu, que analisou dados de janeiro a novembro do Ministério da Infraestrutura, segundo os quais Parauapebas aparece com mais carros e motos emplacados que cidades cuja população supera um milhão de habitantes. Em 11 meses, Parauapebas teve um incremento de 6.110 veículos novos, um volume superior à população inteira de Bannach, Pau D’Arco e Sapucaia. A cada uma hora e 20 minutos um novo veículo foi emplacado, em sua maioria comprados por servidores públicos municipais e empregados da mineradora multinacional Vale.

No Pará, as únicas cidades que conseguiram emplacar mais frota no período foram Belém (12.825) e Ananindeua (6.505). Depois de Parauapebas, emplacaram mais veículos as cidades de Santarém (4.377), Marabá (3.951), Itaituba (2.949), Redenção (2.892), Castanhal (2.738), Canaã dos Carajás (1.956) e Barcarena (1.773). A atual frota de Parauapebas é composta por 106.525 veículos automotores, sendo superada apenas pela quantidade de Belém (483.435), Ananindeua (153.054), Marabá (126.095) e Santarém (112.222).

Veículo por habitantes

As cidades do sudeste do Pará lideram a chamada densidade de veículo por habitante. Dados cruzados pelo Blog do Zé Dudu, relacionando o total da frota com a quantidade de população estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que as cidades mais ao sul do estado tem mais carros e motos por moradores.

Em seis cidades, a média já é praticamente de um (veículo) para um (habitante). Em Redenção, cidade-polo da agropecuária sul-paraense, está a maior concentração de frota: há um veículo para 1,28 morador. É praticamente elas por elas. Nas vizinhas Tucumã e Xinguara, a densidade também é elevada. Na primeira, a média é de um veículo para 1,45 morador; na segunda, um para 1,5 pessoa. Redenção, Tucumã e Xinguara têm em comum a tradição de gado forte e a colonização por fazendeiros endinheirados de Goiás, Minas Gerais e São Paulo.

Outras cidades com elevada concentração de veículos são Novo Progresso (um para 1,55 habitante), Canaã dos Carajás (um para 1,71), Altamira (um para 1,8), Parauapebas (um para 2 habitantes), Itaituba (um para 2,1), Rio Maria (um para 2,17) e Marabá (um para 2,25).

Na outra ponta, são daqui do estado as cidades com menos veículos por habitante do Brasil – todas as quais localizadas na região do Marajó, considerada uma das mais pobres do país. Em Melgaço, há um veículo para 117 habitantes em média, enquanto em Bagre a média é de um para 142. Em Chaves, a densidade salta para um veículo automotor disputado entre 998 moradores, mas Afuá lidera o inverso da estatística com folga: um veículo para 3.043 pessoas.