Parauapebas conquista recurso federal para serviço de hemodiálise

Atualmente 62 pacientes realizam atendimento no Centro de Hemodiálise do Hospital Geral de Parauapebas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Depois de quatro anos, o serviço de hemodiálise ofertado no Hospital Geral de Parauapebas teve sua habilitação aprovada pelo Ministério da Saúde. A publicação do ato deve ocorrer nesta terça-feira, 30, no Diário Oficial da União. A partir de então, Parauapebas passará a receber cerca de R$ 2 milhões anuais, parcelados mês a mês, de repasse federal para o serviço que vinha sendo mantido, desde a sua inauguração, pelo município.

O serviço de hemodiálise é de alta complexidade e, portanto, uma responsabilidade dos Governos Estadual e Federal. Mas, durante todos esses anos, o município de Parauapebas não desassistiu os pacientes que precisam do serviço e tem mantido o atendimento com recursos próprios. A estrutura de hemodiálise do Hospital Geral de Parauapebas conta com dez máquinas que ajudam a salvar vidas de doentes renais crônicos.

“Lutamos muito por esse recurso. Foram muitas idas e vindas à Brasília e, graças ao apoio do nosso prefeito Darci Lermen e à abertura que tenho no Ministério da Saúde, através do Ministro Interino, Eduardo Pazuello, conseguimos conquistar mais esse recurso federal para o município de Parauapebas, garantindo assim mais investimentos para a saúde da nossa gente. Para maior conforto dos pacientes, estamos empenhados no trabalho para que em breve o quarto turno da hemodiálise esteja funcionando,” destaca o secretário de saúde do município, Gilberto Laranjeiras.

Atualmente, 62 pacientes realizam atendimento em Parauapebas, três vezes por semana, por três horas cada. As máquinas da hemodiálise realizam o serviço que os rins do paciente não conseguem fazer. É um procedimento complexo e que segue todos os padrões de segurança estabelecidos pelos órgãos de saúde.

A hemodiálise é um tratamento que consiste na remoção do líquido e substâncias tóxicas do sangue, como se fosse um rim artificial. É o processo de filtragem e depuração de substâncias indesejáveis do sangue, como a creatinina e a ureia.

Publicidade