Paragominas: Homem descumpre medida protetiva e aterroriza ex-mulher e família com simulacro de arma de fogo

Ele foi preso em flagrante por uma equipe da Polícia Civil e vai responder agora também pelos crimes de ameaça e descumprimento de medida protetiva
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Uma equipe da Polícia Civil da Delegacia de Paragominas, no sudeste do Pará, prendeu um homem acusado de descumprir medida protetiva e aterrorizar sua ex-companheira e a família dela, usando um simulacro de arma de fogo. Ele agora vai responder pelos crimes de ameaça e descumprimento de medida protetiva.

Segundo a Polícia Civil, o investigado usava um simulacro de arma de fogo para efetivar suas ameaças em desfavor da vítima e dos membros da família dela. Com isso, após os registros de ocorrência, os policiais foram até o endereço do acusado e ele foi preso em flagrante.

Na casa também foi apreendido o simulacro de arma de fogo que ele usava para aterrorizar a ex-mulher com ameaças de morte. Ele foi encaminhado para a Delegacia local para procedimentos cabíveis e já está à disposição da Justiça.

De acordo com a diretora da Delegacia de Atendimento aos Vulneráveis (DAV), delegada Cynthia Viana, a mulher quando é vítima de algum tipo de violência doméstica deve procurar a delegacia, onde é feito o boletim de ocorrência e requerida às medidas protetivas. Sendo assim, o agressor é informado das medidas emitidas, porém quando ele as descumpre voltando a ameaçar, perseguir e incomodar a vítima, com a sua presença, por publicações ou mensagens pela internet, é expedido uma ordem de prisão pelo descumprimento desta medida solicitada.

Por isso, neste caso o agressor recebeu voz de prisão em flagrante. “É muito importante, a mulher a qualquer momento que ela for vítima, de qualquer tipo de violência, seja por injúria, seja por ameaça, seja por algum tipo de incomodo vindo com a presença do indivíduo, procure qualquer delegacia para obter ajuda e denunciar o agressor, para que ele seja preso e não venha ocorrer um crime pior como o feminicídio. As denúncias podem ser feitas ligando para 181 ou procurando a delegacia mais próxima”, orienta a delegada.

Tin DeBord- com informações da Polícia Civil

Publicidade