Ourilândia compra testes rápidos e EPIs por R$ 150 mil

Para rastrear casos e garantir integridade da saúde de usuários do Sistema Único de Saúde e dos profissionais, governo contratou fornecedor de itens essenciais ao enfrentamento do vírus.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O prefeito Romildo Veloso mandou comprar diversos insumos para se preparar para a pandemia do novo coranavírus em Ourilândia do Norte. Ontem, quarta-feira (22), o governo daquele município encaminhou ao Tribunal de Contas do Município uma dispensa de licitação no valor de R$ 150 mil destinada à aquisição de diversos materiais, como testes rápidos, álcool em gel, luvas e máscaras, para fazer enfrentamento à Covid-19. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu e podem ser checadas aqui.

A empresa HM Cirurgia, contratada desde 30 de março, vai fornecer os produtos. Por enquanto, a Prefeitura de Ourilândia adquiriu apenas 100 testes rápidos, cada um ao custo de R$ 180. O que mais se pediu no pacote foi a máscara de proteção N95: 1.050 ao todo, cada uma custando R$ 56. Também pediu várias caixas de luvas e máscaras descartáveis para uso de profissionais que atuam na rede pública de saúde.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, responsável pela aquisição, a medida visa à prevenção tanto de pacientes e usuários quanto dos servidores que trabalham nas unidades de saúde do município. A pasta alega que, além de enfrentar a pandemia, Ourilândia quer se antecipar à escassez de equipamentos de proteção individual para seus trabalhadores que estão na linha de frente da força-tarefa contra o coronavírus.

Ourilândia, aliás fez uma compra tímida quando comparado a outros municípios que estão soltando dispensas de licitação diariamente no Pará, a pretexto da pandemia da Covid-19. Pelo menos 30 processos licitatórios já foram encaminhados ao TCM sobre a questão em um mês, entre tantos outros que, sem diretamente relacionar a doença, também tratam da mesma finalidade.

O Blog do Zé Dudu até reportou isso (relembre aqui) há duas semanas e, de lá para cá, o número de processos no órgão fiscalizador de contas mais que dobrou. Tem município por aí com quase cinco dispensas de licitação sobre a mesma coisa, o que deve render boas explicações no futuro, quando as contas dos gestores começarem a ser apreciadas.