ONGs participam de reunião no Conselho da Amazônia

O vice-presidente Hamilton Mourão vai ouvir o setor, tratar da Zona Franca e do SUS da Floresta
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Brasília – Articulado pelo deputado Marcelo Ramos (PL-AM), o vice-presidente Hamilton Mourão, que preside o Conselho da Amazônia, reuniu-se com representantes de Organizações Não Governamentais (ONGs). O governo disse que será considerado que as instituições ambientalistas possam contribuir, não só na análise dos problemas na Amazônia Legal, mas também na construção de soluções para frear o desmatamento na região. A afirmação foi feita pelo deputado Ramos, após o encontro com Mourão, que contou com as presenças do presidente da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), Virgílio Viana, Victor Salviatti (FAS) e o presidente da Levisky Legado e do Fórum Internacional Endowments, Ricardo Blau Leviski.

Foram tratados três temas na reunião, segundo o deputado: o compromisso de ouvir as ONGs, a preservação da Zona Franca de Manaus e a criação do SUS da Floresta. “Dentro lógica de mandar um sinal positivo aos investidores de que o governo tem compromisso com a Amazônia, a primeira proposta foi muito bem recebida e o vice-presidente marcará uma reunião extraordinária do conselho com organizações não governamentais da Amazônia”, destacou o deputado.

O parlamentar destacou que Mourão vai abrir diálogo com o órgão do Ministério da Saúde que trata de indígenas para avaliar a sugestão do SUS da Floresta. “Sobre a Zona Franca, o vice-presidente já é um entusiasta do modelo e solicitamos que seja um porta-voz dessa defesa da Zona Franca de Manaus como instrumento de preservação ambiental”, afirmou.

“Externamos que é essencial a participação do terceiro setor no conselho da Amazônia, sobretudo das ONGs que atuam na análise dos problemas e no desenvolvimento de soluções para a região, no sentido de gerar prosperidade e riqueza”, disse Virgilio Viana, da FAS.

Zona Franca

O segundo tema tratado na reunião, segundo o deputado Ramos, foi a reforma tributária, para mostrar a importância da preservação da Zona Franca de Manaus para evitar o desmatamento da Amazônia. “É preciso uma evolução, para que os incentivos fiscais se mantenham, como a adoção da lei de informática, que garante um percentual de recursos para pesquisa e desenvolvimento, investimento em biotecnologia e fomento à indústria de software, que é alocacional, só precisa de energia, nuvem e mente”, enumerou o parlamentar.

Viana, da FAS, ressaltou que o modelo da Zona Franca tem de ser capaz de reduzir as desigualdades regionais e o desmatamento. “É essencial que contribua diretamente para preservação ambiental. Assim como leva tecnologia para a nova economia da floresta, a economia da biodiversidade, que nós chamamos de bioeconomia amazônica”, assinalou. A ideia é transformar o que a Amazônia tem em produtos que gerem riqueza.

O terceiro ponto levado ao coordenador do Conselho da Amazônia foi a criação do SUS da floresta. “Nas comunidades ribeirinhas não há médico, nada chega às populações”, lembrou o deputado Ramos.

Viana disse que, com a experiência de enfrentamento da crise do novo coronavírus, ficou claro que é essencial mudar o marco regulatório para tratar de saúde na Amazônia. “A Amazônia é outro mundo precisa de tratamento diferenciado, por conta das distâncias e do isolamento. Temos que usar tecnologia, energia solar, teleatendimento, e misturar isso com o saber tradicional, dos agentes comunitários e das populações indígenas”, sustentou Viana.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.

Publicidade