No Pará, casos de malária reduzem 66% de janeiro a agosto de 2014

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Em 2013 foram 23.190 casos; este ano o número caiu para 7.909.
Pará ainda figura no 3° lugar entre os estados com maior número de casos.

bds-030914-diminuicao_malaria O Pará reduziu em 66% os casos de malária no período de janeiro a agosto de 2014, em dados comparativos aos oito primeiros meses do ano passado. As informações foram divulgadas pela Secretaria de Estado de Saúde (Sespa): foram 7.909 casos registrados este ano contra 23.190 em 2013.

Segundo   a Sespa, para ajudar no combate à doença foram implantadas mais de 800 Unidades de Diagnóstico e Tratamento (UDT) em todo o território paraense, e equipes de campo estão equipados com motos, carros e utilizando microscópios que ajudam a detectar o quadro de malária.

Outra ação utilizada na prevenção da doença foi a distribuição de 180 mil mosquiteiros gratuitos. A partir da adoção dessas medidas, o Pará caiu no ranking brasileiro com maior número de casos da malária, mas ainda figura no terceiro lugar, ficando atrás do Amazonas e Acre.

O médico infectologista Bernardo Cardoso, coordenador Estadual de Controle de Doenças Transmissíveis por Vetores da Sespa, é responsável po esse trabalho. Ele é bastante otimista quanto aos futuros balanços no Pará. “O meu objetivo é erradicar a malária em todo o Estado”, afirmou.malaria13

Estados
Cinquenta e nove dentre 144 municípios paraenses não apresentaram nenhum registro de malária em 2014 e, nos outros, apenas um caso foi relatado. As cidades que ainda são motivo de preocupação no estado são Afuá, Anajás, Alenquer, Itaituba, Jacareacanga, Novo Progresso e São Félix do Xingu.

Malária
A doença prevalece em países de clima tropical e subtropical. O vetor da doença é o anofelino (Anopheles), mosquito parecido com o pernilongo, que pica as pessoas principalmente ao entardecer e à noite. A doença também pode ser transmitida por transfusão de sangue contaminado, através da placenta (congênita) para o feto e por meio de seringas infectadas. A Amazônia é a região do Brasil onde ocorrem 98% dos casos de malária.

Sintomas
Febre alta, calafrios intensos que se alternam com ondas de calor e sudorese abundante, dor de cabeça e no corpo, falta de apetite, pele amarelada e cansaço são os principais sintomas. Dependendo do tipo de malária, esses sintomas se repetem a cada dois ou três dias.

Fonte : g1