Na região de Carajás, Parauapebas é o que mais esticou eleitorado

Município passou de 85 mil para 162 mil eleitores em dez anos. Sete cidades encolheram número de eleitores na década.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

O município de Parauapebas avança em vários aspectos. Na estatística eleitoral, segundo dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o número de eleitores no município teve um crescimento vertiginoso na última década. Em 2008 havia 85.199 eleitores aptos a votar, enquanto nesta eleição de 2018 são 156.301 pessoas cadastradas para exercerem sua cidadania na urna em outubro próximo.

Marabá, a maior cidade da região sudeste do Pará, também cresceu, mas não na mesma proporção que a Capital do Minério. Há dez anos, a cidade fundada pelo maranhense Francisco Coelho, em 1913, tinha 122.366 eleitores e saltou para 162.409 em 2018. Canaã dos Carajás também duplicou neste período, saindo de 19.009 para 39.855 eleitores; Por outro lado, Curionópolis registrava 12.510 eleitores em 2008 e agora conta com 16.180 votantes. Eldorado do Carajás tinha 15.512 eleitores e passou para 19.174 neste ano. Ourilândia do Norte, também na região de mineração de Carajás, tinha 14.023 eleitores em 2008 e agora aponta 22.423 votantes.

ANDANDO DE RÉ

Enquanto esses municípios mineradores apresentaram crescimento, outros nas regiões sul e sudeste do Pará apontam diminuição no número de eleitores nos últimos dez anos. É o caso de Cumaru do Norte, o que perdeu a maior quantidade de aptos a votar. Em 2008 havia 5.848 eleitores no município e agora são 4.899. Em Nova Ipixuna foram registrados 10.600 eleitores em 2008 e em 2018 são 9.059. Goianésia assinalava 22.815 eleitores e hoje são 22.305; Palestina do Pará tinha 5.561 e este ano são 4.938 aptos a irem às urnas; Rondon do Pará tinha 29.923 eleitores e agora são 22.305.

Brejo Grande do Araguaia tinha 5.910 eleitores e, atualmente, são 5.308. E, por fim, Abel Figueiredo, que registrou 5.599 eleitores há 10 anos e, nesta data, estão inscritos 5.005 eleitores.

Outro grupo que vem logo atrás é dos municípios que cresceram muito pouco. É o caso de Itupiranga, que somava 31.237 eleitores em 2008 e hoje há registrados pelo TSE 32.458 votantes. Bom Jesus do Tocantins possuía 9.159 eleitores em 2008 e em 2018 são 9.491 que podem ir às urnas. São Domingos do Araguaia possuía 15.004 eleitores e agora são 15.788.

MARABÁ VOTA DE SAIA

A estatística do eleitorado por sexo apresenta números curiosos na região de Carajás. Em Marabá, pela primeira vez o número de eleitores do sexo feminino ultrapassa o masculino. São 81.567 mulheres aptas a irem às urnas no próximo dia 7 de outubro contra 80.758 homens.

Já em Parauapebas, a hegemonia masculina permanece nas urnas, com 79.432 homens contra 76.869 mulheres aptas a votar. Em Curionópolis, serão 8.716 homens nas urnas contra 7.463 mulheres; em Eldorado do Carajás serão 10.086 homens e 9.088 mulheres; em Canaã o TSE registra 20.969 homens contra 18.886 mulheres.

A IDADE DOS ELEITORES

Quando o assunto é a idade dos eleitores, o TSE também fornece os números, que servem bastante para os candidatos mais espertos, que poderão usar os dados para focar o alvo de suas campanhas. Assim, em Parauapebas, os eleitores entre 25 a 34 anos somam 31.200 pessoas. De 35 a 44 anos são 24.400 eleitores; de 45 a 59 anos são 17.460 eleitores; de 18 a 20 representam 7.430; e de 21 a 24 somam 11.080 eleitores.

Já em Marabá, o grupo maior está na faixa etária entre 25 a 34 anos, com 41.427 eleitores; de 35 a 44 anos de idade são 35.645; de 45 a 59 são 32.307; de 21 a 24 representam 17.018 eleitores e de 18 a 20 anos são 11.418 votantes.

GRAU DE INSTRUÇÃO

O grau de instrução é outro fator preponderante para os candidatos elaborarem suas propagandas. Marabá se caracteriza por ter 27% de seu eleitorado com ensino fundamental incompleto (44 mil eleitores); 20% têm ensino médio incompleto (33.800); 18% têm ensino médio completo (30.000); e 8,3% são analfabetos (13.631 eleitores).

Parauapebas

Em Parauapebas, a escolaridade dos eleitores é superior a de Marabá, segundo o TSE. Por exemplo, o número de analfabetos é bem menor: 2,5% da Capital do Minério contra 8,3% da antiga Capital da Castanha-do-pará. O maior grupo do Pebas é dos que possuem ensino médio completo, com 60.050 eleitores (38,4%), enquanto o município mãe tem apenas 18% com esse nível de ensino.

Com ensino fundamental completo são 12.341 parauapebenses (7,8%), contra 9.696 (5,9%) de Marabá. Quando o assunto é ensino superior, Parauapebas aparece com 9.351 aptos a votar (5,9%), enquanto Marabá registra 7.489 pessoas (4,6%), embora já tenha se estabelecido como cidade universitária há um bom tempo.

Em Canaã dos Carajás, o grau de instrução dos eleitores também parece ligeiramente melhor do que Marabá, estatisticamente. O grupo mais expressivo é dos que possuem ensino médio completo, com 29,3% (11.716 aptos a votar); um total de 27,8% tem ensino fundamental incompleto (11.104); e o número de analfabetos chega a 1.194 pessoas (2,9%).

Em Curionópolis, os que possuem ensino fundamental incompleto são a grande maioria. Do total de 16.180 eleitores, 5.047 (31%) estão nesse grupo, seguidos pelos que têm ensino médio completo (16,9%) e pelos que apenas leem e escrevem (16,6%).

Na região de Carajás, Eldorado se destaca por possuir o maior percentual de eleitores analfabetos: 2.255 (11,7% do total), superando os 8,3% de Marabá. O maior grupo por grau de instrução naquele município é dos que possuem ensino fundamental incompleto, com 6.917 eleitores (36%), seguido por aqueles que apenas leem e escrevem, 3.910 pessoas, o que representa 20% do total de 19.174 eleitores.

Ulisses Pompeu – de Marabá
Publicidade

Relacionados