MPE e GSI realizam Operação Lemniscata na prefeitura de São Félix do Xingu

Duas pessoas foram presas por supostas fraudes em onze licitações para compra de material de informática.
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Na manhã desta quinta-feira (30), seis equipes do Ministério Público Estadual, em conjunto com agentes do GSI (Grupo de Atuação Especial de Inteligência e Segurança Institucional), realizaram a Operação Lemniscata na prefeitura de São Félix do Xingu que investiga supostas fraudes em onze licitações para compra de material de informática feitas pela prefeitura do município.

A ação foi coordenada pelo Promotor de Justiça  Estadual, Dr. Milton Lobo Menezes com o apoio dos promotores de justiça no município, Dr. Carlos Fernando Cruz da Silva e promotora Dra. Cynthia Cordeiro, além de agentes da polícia civil. Uma denúncia anônima feita no site do Ministério Público Estadual, na Ouvidoria do MPE originou a  operação Lemniscata, que cumpriu  oito mandados de busca e apreensão e três mandados de prisão.

Informática – Conforme informações do MPE, foram presos os comerciantes Erverton Fernandes Reis de Souza e Manoel Ribeiro da Silva acusados de serem “laranjas” do Ouvidor da Prefeitura, Maximino Gomes, que não foi localizado pelas autoridades. Segundo o MPE, o Ouvidor Geral da prefeitura, seria o verdadeiro dono da empresa de material de informática Green Tech, envolvida em supostas fraudes em licitações de compra de material de informática para a prefeitura, secretarias e órgãos como Conselho Tutelar.

Além das prisões, a operação Lemniscata apreendeu computadores, celulares e farta documentação das licitações suspeitas de fraudes que chegariam a quase um milhão  de reais, entre os anos de 2017 e 2018.

A prefeitura municipal de São Felix do Xingu, até o momento, não divulgou nota sobre a operação Lemniscata. Segundo informações, a prefeita Minervina Maria de Barros Silva estaria em viagem a Brasília.

Publicidade