Moradores de residencial em Jacundá clamam por segurança

Latrocínio, roubos e outros crimes tiram o sossego de mais de 400 famílias que residem em Arraias, a dois quilômetros do centro da cidade. Providências foram pedidas ao governador.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Mais de 400 famílias moram no Residencial Arraias, a cerca de dois quilômetros do centro da cidade de Jacundá, sudeste do Pará. E conviver com a violência tem sido o maior desafio dos moradores. No mês passado, foram registrados latrocínio, suicídio, roubos e furtos no município, o que tem tirado o sossego de quem vive ali.

Para discutir essa situação, a diretoria do Centro Social do Residencial Arraias, presidido pelo morador Denis Castro, reuniu uma parte dos domiciliados na sede da associação, porém nem a metade da população do residencial compareceu. “E depois querem saber e cobrar as melhorias do bairro; complicado”, critica Denis.

Na pauta, os moradores discorreram sobre segurança pública, sistema de rede de esgoto e água, além de limpeza pública e iluminação das ruas. “O nosso maior problema diz respeito à segurança, pois quem vive aqui sabe que se sair de casa pode chegar e encontrar a casa arrombada”. Segundo Denis, os casos de arrombamentos com consequência em furtos e roubos são comuns.

“Devido a muitos roubos acontecendo no bairro, e até homicídio, a população está em pânico. Os moradores do residencial não dormem mais”, afirma o presidente do centro social, que preparou uma pauta de reivindicação para ser entregue às autoridades. “Aproveitamos a oportunidade da visita do nosso governador Helder Barbalho e entregamos nossos pedidos a ele”, conta Denis Castro

Em relação ao latrocínio registrado no mês passado, os envolvidos foram presos. Os demais problemas apresentados pelos moradores foram direcionados à Prefeitura de Jacundá.

Publicidade

Relacionados