Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Mineradora será convocada para explicar sobre sinterização do manganês em Marabá

Mineração Buritirama pretende expandir seus negócios no município, mas Câmara quer discutir condicionantes

Durante a sessão ordinária desta quarta-feira, dia 8 de agosto, o vereador Tiago Koch falou aos presentes sobre a necessidade de a Câmara convocar os representantes da Mineração Buritirama para uma reunião com o objetivo de apresentarem o projeto de sinterização de minério de manganês, que exploram na Vila União, zona rural de Marabá.

O projeto de expansão, segundo lembra o vereador, foi iniciado em meados de 2010, quando a Buritirama construiu uma unidade de sinterização de minério de manganês na cidade de Barcarena, onde possuía as licenças prévias e de instalação, porém nunca conseguiu as de operação.

Mais recentemente, foi noticiado que a referida mineradora objetiva desmobilizar a planta que está em Barcarena e trazê-la para a planta industrial da mina, na Vila União, em Marabá. Diante dessa proposta, Tiago Koch pede que a Câmara faça a intermediação e discussão com a empresa, para que sejam discutidas com a comunidade não apenas as condicionantes ambientais, mas também as sociais e estruturais, visto que a Vila União não dispõe de sistema de abastecimento de água, rede de esgoto não existe em nenhuma residência e os equipamentos públicos e de lazer são mínimos, além da dificuldade que há de capacitação de mão de obra. “Além de pedirmos a contratação de mão de obra da própria vila para a implantação do projeto, solicitamos formação técnica das pessoas que moram lá para atuarem de forma permanente e em boas posições quando iniciar a operação”, diz Tiago.

Veja também:  Semma intercepta carga de minério extraído irregularmente em Canaã

O vereador Alecio Stringari, que também reside na zona rural, mais precisamente na Vila Capistrano de Abreu, elogiou a propositura do colega Tiago Koch e colocou-se à disposição para ajudar a viabilizar a reunião com representantes da Buritirama e espera, também, que boa parte dos empregos para esta unidade seja gerada lá mesmo na região da Vila União.

SAIBA MAIS

O projeto prevê a criação de 400 empregos diretos na implantação – que deverá durar 16 meses – e 100 diretos quando as operações iniciarem, fora os empregos indiretos na prestação de serviços. A Buritirama comercializa seus produtos nos mercados nacional e internacional, que tem em seu processo de beneficiamento mineral a utilização apenas de água como agente para a concentração dos minérios de manganês.

A Buritirama produz anualmente 150 mil toneladas de manganês e prevê a duplicação da produção para 300 mil toneladas/ano, além da planta de sinterização ora em discussão.

A sinterização é um processo no qual o minério compactado é submetido a temperaturas elevadas, criando uma alteração na estrutura microscópica do elemento base. Sua finalidade é obter uma peça sólida coerente.

Ulisses Pompeu – de Marabá

Deixe uma resposta