Milhares de alunos podem ser prejudicados por “sumiço” de contas de prefeitos do Pará

Gestores de 80 municípios do estado não encaminharam prestação de contas da educação do 6º bimestre de 2019 ao sistema do Governo Federal e prefeituras estão na mira do bloqueio.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Não bastasse o marasmo dos gestores municipais paraenses quanto à falta de prestação de contas de gastos com saúde no 6º bimestre do ano passado, conforme denunciado recentemente pelo Blog do Zé Dudu (relembre aqui), quem também pode ser prejudicada agora é a educação. Milhares de crianças, adolescentes, jovens e adultos carentes que estão na escola podem não ter condições de concluir o ano letivo em pelo menos 80 municípios do estado, que estão sob ameaça do Ministério da Educação (MEC) de ter recursos — repassados via Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) — bloqueados.

As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que chegou à triste constatação de que apenas 64 prefeituras foram pontuais na homologação das contas no Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos de Educação (Siope). Outras cinco prefeituras até encaminharam as informações, mas estão pela metade ou aguardando parecer de conselho ou ordenador de despesa da educação local.

De qualquer modo, a situação das oito dezenas de prefeituras que não encaminharam os balanços do 6º bimestre no prazo legal, que se encerrou no dia 30 de janeiro, é crítica. A partir do momento em que o município não cumpre o prazo nem envia os dados ao Siope, a prefeitura fica sujeita a penalidades e, por conseguinte, toda a população paga o pato.

A principal complicação é ter o nome “sujo” no Cadastro Único de Convênio (Cauc), o que impede a prefeitura de receber transferências voluntárias da União por tempo indeterminado, bem como de celebrar convênios com o Governo Federal. Os repasses só são liberados após a transmissão dos dados pendentes. E tem mais: o Siope não aceita receber a prestação de contas mais recente se houver pendências antigas. Para regularizar a situação, o prefeito deve organizar o envio de todos os bimestres em aberto.

O Blog do Zé Dudu constatou que 32 prefeituras não regularizaram um bimestre sequer de 2019, dos seis passíveis de envio de dados. Prefeituras ricas como Tucuruí, Cametá, Novo Repartimento, Vitória do Xingu e Moju estão entre elas. Também estão devedoras de um ou outro bimestre os governos multimilionários de Abaetetuba, Altamira, Bragança, Itaituba, Marituba, Tomé-Açu e Tailândia, o que demonstra que a irresponsabilidade não está restrita a municípios com baixa capacidade de organização contábil.

No sudeste do Pará, dos 39 municípios da mesorregião, 14 — mais de um terço — estão inadimplentes. Confira a lista preparada pelo Blog do Zé Dudu com todas as prefeituras enroladas por falta de envio de dados ao Siope.

PREFEITURAS INADIMPLENTES
Abaetetuba
Acará
Alenquer
Almeirim
Altamira
Anajás
Augusto Corrêa
Aurora do Pará
Bagre
Baião
Bonito
Bragança
Brejo Grande do Araguaia
Breves
Cachoeira do Arari
Cametá
Capitão Poço
Colares
Concórdia do Pará
Curuá
Curuçá
Faro
Floresta do Araguaia
Goianésia do Pará
Gurupá
Igarapé-Açu
Igarapé-Miri
Ipixuna do Pará
Irituia
Itaituba
Itupiranga
Jacareacanga
Jacundá
Juruti
Limoeiro do Ajuru
Mãe do Rio
Maracanã
Marapanim
Marituba
Melgaço
Moju
Mojuí dos Campos
Monte Alegre
Muaná
Nova Esperança do Piriá
Nova Timboteua
Novo Progresso
Novo Repartimento
Óbidos
Oeiras do Pará
Pacajá
Pau D’Arco
Placas
Portel
Prainha
Rio Maria
Rurópolis
Santa Maria das Barreiras
Santana do Araguaia
Santarém Novo
Santo Antônio do Tauá
São Caetano de Odivelas
São Domingos do Capim
São Francisco do Pará
São Geraldo do Araguaia
São João da Ponta
São João de Pirabas
São João do Araguaia
São Sebastião da Boa Vista
Sapucaia
Tailândia
Terra Alta
Terra Santa
Tomé-Açu
Tracuateua
Trairão
Tucuruí
Uruará
Vigia
Vitória do Xingu
Fonte: FNDE/Siope, 2020 | Elaborado pelo Blog do Zé Dudu.
Publicidade