Marabá: Professores querem bloquear contas da prefeitura

A principal reivindicação da categoria é o pagamento do restante do piso salarial, que não foi efetuado em 2020. Mas a pauta também fala de reajuste salarial.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Profissionais da Educação tomaram as escadarias do MPPA em Marabá para protestar por seus direitos/Divulgação

Continua depois da publicidade

Nesta quinta-feira (4), professores da rede municipal de Marabá fizeram protesto contra a prefeitura, em frente ao prédio do Ministério Público do Pará (MPPA) e também do Fórum de Justiça. Eles cobram da prefeitura, entre outras coisas, o pagamento do restante do piso salarial que ficou acumulado de 2020 e deveria ter sido pago em janeiro, mas pagou apenas uma parte.

Segundo o professor Everaldo Marinho, coordenador geral do Sindicato dos Trabalhadores da Educação Pública do Pará (Sintepp), em Marabá, a prefeitura tem dinheiro em caixa, mas mesmo assim os professores não recebem os recursos a que têm direito.

Além de fazer o protesto, com discursos inflamados, os professores agendaram uma audiência com o promotor Alan Pierre Chaves Rocha, para a próxima quinta-feira (11), ocasião em que vão protocolar o pedido de bloqueio das contas da prefeitura, até que sejam pagos os direitos e até que a prefeitura atenda outras reivindicações, como recomposição de perdas salariais.

Outro problema denunciado pelos manifestantes diz respeito à intransigência do gestor municipal, que tem se negado a atender os representantes da categoria. Ao todo, cerca de 3 mil trabalhadores da Educação estão sendo prejudicados pela omissão da prefeitura, denuncia o sindicalista.

Outro lado

Sobre o assunto, a Prefeitura de Marabá enviou uma nota explicando que todas as informações sobre a segunda parte do pagamento referente ao retroativo já foram repassadas ao MP, além de toda prestação de contas com relação aos gastos referentes ao novo Fundeb.

De acordo com a nota, a prestação de contas também será apresentada ao Conselho Municipal de Educação, órgão responsável pela mediação e aprovação de tais contas.

“É importante ressaltar que todos os salários dos servidores da educação estão devidamente em dia, inclusive o mês de janeiro e o pagamento do sexto de férias, pagos juntamente com a folha no dia 28 de janeiro de 2021”, diz trecho do documento.

No final da nota, a prefeitura diz que o sindicato tem ciência absoluta de toda esta pauta e afirma que o educador tem diálogo amplo com todos os departamentos da Secretaria Municipal de Educação (Semed) para dirimir quaisquer dúvidas.