Marabá e Parauapebas estão fora da retomada de atividades anunciada pelo governo hoje

Ou seja, os shoppings e outras atividades, cuja reabertura é aguardada ansiosamente, continuam fechados
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O governador Helder Barbalho (MDB) apresentou, nesta sexta-feira (29), as primeiras premissas para a retomada econômica no Pará, inclusive com a reabertura de shoppings, comércio e igreja, de forma gradativa e segura. Denominado Retoma Pará, o planejamento aponta que apenas duas regiões do Estado estão capacitadas a retomar as atividades gradativamente: a Região Metropolitana de Belém/Marajó Oriental/Baixo Tocantins e a Região Araguaia.

A Região Carajás, onde estão Marabá e Parauapebas e outros 15 municípios e que, segundo o governo, tem taxa de transmissão alta e baixa capacidade de resposta do sistema de saúde, está fora, neste primeiro momento, da retomada das atividades. Assim como as regiões do Baixo Amazonas, Tapajós, Marajó Ocidental, Xingu, Lago de Tucuruí e Nordeste do Estado.

Já nos municípios da Região Araguaia estão dentro do Retoma Pará. São eles: Água Azul do Norte, Bannach, Conceição do Araguaia, Cumaru do Norte, Floresta do Araguaia, Ourilândia do Norte, Pau D’Arco, Redenção, Rio Maria, Santa Maria das Barreiras, Santana do Araguaia, São Félix do Xingu, Sapucaia, Tucumã e Xinguara.

As medidas para o retorno de forma controlada levaram em consideração, a segmentação de pilares como disseminação da doença, capacidade do sistema de saúde, testagem e monitoramento da transmissão, abordagem regional e engajamento da população.

Para trabalhadores e empresas, foram desenvolvidos procedimentos operacionais padrão, visando assegurar a proteção à saúde no local de trabalho. Dentre eles estão utilização de máscaras, estímulo ao trabalho remoto, afastamento de trabalhadores do grupo de risco, adiamento de viagens a negócios, limite de entrada de visitantes, abertura de janelas e desligamento do ar condicionado, quando possível, além de implementação do distanciamento físico e ações de higiene.

Em relação às duas regiões liberadas, a cada sexta-feira, segundo o governador, será feito um balanço da situação de sanidade. Por isso, e é importante que a população respeite o isolamento social, respeite os protocolos e vigilância de saúde e as restrições. Se os números apresentarem colapso na rede de saúde, o governo pode voltar a adotar medidas rígidas e ir ao extremo novamente, como o lockdown

Atualmente, o Pará conta com 31.132 mil casos confirmados de coronavírus com, 235 casos em análise e 2.785 óbitos. A taxa de letalidade no Pará é de 7.93%, que é a divisão do número de óbitos pelo número de casos confirmados.

Eleuterio Gomes – de Marabá, com informações da Agência Pará 

Publicidade