Polícia prende seis acusados de integrar perigosa quadrilha

As prisões aconteceram nas cidades de Marabá, Rondon do Pará, São Miguel do Guamá e Belém; e também houve prisões nos Estados do Goiás, Pernambuco e Paraíba.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Delegado Thiago Carneiro explicou como se deu a prisão dos acusados/Foto: Divulgação

Continua depois da publicidade

Policiais civis de quatro Estados, incluindo o Pará, cumpriram seis mandados de prisão e cinco de busca e apreensão conta acusados de integrar perigosa quadrilha que atacava carros-fortes no Estados do Pará, Goiás, Paraíba e Pernambuco. Inclusive o último assalto praticado pelo bando aconteceu no dia 31 de agosto de 2019, na BR-155 entre Marabá e Eldorado do Carajás.

Na manhã desta sexta-feira (5), o delegado Thiago Carneiro Rodrigues, superintendente regional de Polícia Civil no sudeste do Pará, conversou com a Imprensa sobre a ação policial, que foi coordenada pela Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (DRCO).

No Estado do Pará, as prisões aconteceram nas cidades de Marabá, Belém, São Miguel do Guamá Rondon e Rondon do Pará.

Segundo o delegado, um dos integrantes do bando, identificado apenas pelo prenome de Manoel, foi alvejado e preso por policiais civis durante uma troca de tiros na cidade de Tailândia. A partir da prisão dele, outros nomes de acusados foram descobertos, inclusive um dele seria funcionário de uma empresa de transporte de valores que foi atacada pela quadrilha.

Essa pessoa tinha a função de repassar as informações necessárias para o bando fazer os assaltos. As principais dicas repassadas eram a quantia transportada, o horário e também o itinerário do carro-forte que era alvo da organização criminosa.

A Polícia Civil não divulgou a identificação dos presos, mas a Imprensa acabou descobrindo que um deles se chama Kinones Silva Jardim, contra quem já havia um mandado de prisão aberto por outro crime cometido na cidade de Jacundá, a 100 km de Marabá. Todos os presos foram autuados por roubo majorado, associação criminosa e posse ilegal de armas e munições de uso restrito.

Publicidade