Marabá: militares estarão nas ruas no combate ao Aedes Aegypti

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Aedes_aegypti_foto internetNo próximo dia 13 de fevereiro, aproximadamente 9.500 militares das Forças Armadas atuarão na campanha contra o mosquito Aedes aegypti em oito municípios paraenses, entre eles, Marabá.   Os militares estarão nas ruas para distribuir material com orientações de combate aos criadouros do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Marabá, no Dia D, serão dois mil militares nas ruas do município, acompanhados de 300 servidores municipais, incluindo Agentes Comunitários de Saúde, Agentes de Endemias e coordenadores de equipes.

“O dia “D” inicia às 8h, todas as Unidades Básicas de Saúde estarão envolvidas nessa ação. Cinco delas oferecerão consultas médicas e outros procedimentos relativos às doenças transmitidas pelo Aedes aegypti”, informa a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Crissiana de Almeida.

Equipes farão visitas na zona urbana, eliminando criadouros do mosquito nos logradouros públicos e residências, principalmente nos pontos estratégicos, apontados pelo levantamento da Secretaria de Saúde e orientando a população quanto à prevenção.

Além de Marabá, a ação acontecerá nas cidades de Altamira, Belém, Benevides, Itaituba, Marituba, Santarém e Tucuruí. A distribuição do efetivo levou em consideração os municípios com maior infestação do mosquito, além de cidades que contam com bases militares instaladas.

Ao todo, na região Norte, 28.300 militares vão percorrer os domicílios.  O efetivo deslocado para o Pará só é menor que o do estado do Amazonas, que terá 12 mil homens para visitar 10 municípios.

Conforme divulgação do Ministério da Saúde, a ação acontece simultaneamente em todo o país. Ao todo, serão 220 mil militares da Marinha, Exército e Aeronáutica mobilizados. A meta é visitar três milhões de residências no Brasil inteiro em áreas consideradas endêmicas, de acordo com indicação do Ministério da Saúde.

Publicidade