Parauapebas reduz o número de casos de dengue, diz Sespa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

DengueO atual cenário de casos registrados de dengue, zika e febre chikungunya é uma preocupação vivenciada por todos os brasileiros.  Em Parauapebas, não é diferente, tendo em vista que a cidade figurava na lista dos municípios com maior número de casos notificados da doença do Estado do Pará.

Nesta semana o município recebeu uma boa notícia, com a divulgação do segundo Informe Epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). Conforme dados da Secretaria, Parauapebas registrou apenas um caso de dengue confirmado durante os meses de janeiro e fevereiro.

Ao todo, o Pará registrou 510 casos de dengue, 18 de zika e um importado de febre chikungunya em janeiro e fevereiro deste ano. Houve uma redução de 30% na quantidade de doentes com dengue no Estado em relação ao mesmo período de 2015, que registrou 729 confirmações.

O município de Oriximiná lidera no ranking, com 76 casos confirmados, seguido por Santana do Araguaia (45), Alenquer (32), Belém (27), Benevides (11), Marituba (11), Itaituba (11), Ananindeua (8), Canaã dos Carajás (5) e Parauapebas (1). Em todo o Estado, não houve registro de mortes por dengue em 2016.

Ações de combate

Em Parauapebas, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), desde dezembro de 2015, ações de combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e febre chikungunya estão ocorrendo na cidade. Mutirões de limpeza vêm sendo realizados para coleta de lixo e entulhos. O trabalho dos agentes de endemias foi reforçado no sentido de vistoriar e sensibilizar a população para evitar água parada. Palestras em empresas, universidades e escolas já foram realizadas neste início de ano. 

Além disso, o carro fumacê tem passado nos bairros com maiores índices de infestação do mosquito, segundo a coordenadora do Departamento de Vigilância Ambiental e Controle de Endemias, enfermeira Núbia Lima. Ela lembra também que uma Lei Federal permite agora que os agentes de endemias entrem em imóveis fechados para eliminar focos de criadouros do mosquito.

Entre as ações recentes, uma grande mobilização de alunos da rede municipal foi realizada na semana passada. Alunos e professores fizeram caminhadas pela cidade e distribuíram repelentes caseiros, corporais e para o lar.

Publicidade