Licença para construção de segunda ponte rodoferroviária em Marabá é publicada

Projeto inicial depositado no Ibama revela que aproximadamente 900 postos de trabalho com carteira assinada serão gerados no pico das obras, já no primeiro ano; resta saber quando a Vale vai iniciar
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Desde 2019, quando resolveu assumir publicamente seu interesse em erguer uma segunda ponte sobre o Rio Tocantins, no meio da cidade de Marabá, a mineradora multinacional Vale não saiu mais da boca do povo. Entre o silêncio sepulcral dos trâmites burocráticos da iniciativa e a divulgação na imprensa de que havia recebido a licença de instalação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) no final de agosto, a Vale voltou a cena e criou esperanças na sociedade de Marabá, que sonha há anos com uma alternativa logística de transpor a paisagem natural da cidade que não seja a ponte atual, construída há mais de três décadas.

E agora é oficial: a Vale confirmou nesta terça-feira (3), por meio de publicação no Diário Oficial da União (DOU), ter recebido a licença para construção da ponte, a última das barreiras para que ela comece, enfim, a colocar homens e máquinas num dos principais rios do Pará para montar a nova estrutura rodoferroviária. A informação foi levantada pelo Blog do Zé Dudu.

Na verdade, a licença de número 1.361/2020 foi emitida no dia 26 de agosto e se refere a um “todo”, que são as obras de duplicação da Estrada de Ferro Carajás (EFC), numa extensão total de 892,04 quilômetros, desde Parauapebas até a capital maranhense, São Luís. No meio do caminho, contudo, está a necessidade de se construir uma segunda ponte sobre o Rio Tocantins, projeto que a mineradora até tentou evitar, mas por razões comerciais — e principalmente sociais — decidiu encarar. A licença é válida até 26 de agosto de 2024 e a multinacional tem pressa, de olho no apetite chinês pelas toneladas de minério de ferro saídas das jazidas do complexo de Carajás e que trafegam pelos trilhos até ser embarcado de navio rumo ao Oriente.

900 postos de trabalho no pico das obras

O projeto básico inicial de duplicação da ponte, confeccionado pela consultoria Arcadis Logos em 2014 e depositado no banco de estudos de impactos ambientais do Ibama, revela que a estrutura projetada iniciará no Km 724+755,946 e finalizará no Km 727+065,946, com extensão de 2.310 metros — publicamente, a Vale diz, por meio da imprensa, que são 2.365 metros.

No traçado, a ponte será implantada em paralelo à ponte existente, com entrevia de 275 metros no lado do núcleo São Félix e 315 metros no lado do núcleo Nova Marabá. Além do escopo ferroviário, há a previsão de implantação de duas estradas de serviço longitudinais, paralelas ao traçado da ferrovia, e dois acessos rodoviários locais.

Pelo plano inicial, a construção da ponte demandará cerca de 900 empregos, com pico de obras previsto para os quinto e sexto meses do primeiro ano de serviços. O que falta, agora, é a Vale se pronunciar acerca de quando, então, ela deve iniciar as obras, uma vez que a razão que a impedia já não existe mais.