Justiça Federal indefere pedidos dos Xikrin, Salobo e S11D seguem funcionando

Após longa audiência na manhã de ontem, quarta-feira (19), à tarde o juiz federal Heitor Moura Gomes proferiu decisão sobre os dois processos
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

O juiz federal Heitor Moura Gomes, da 2ª Vara Federal de Marabá, indeferiu, no final da tarde de ontem, quarta-feira (19), o pedido de paralisação das atividades do Projeto Salobo, feito pelas Associações Indígenas Baypra, Kakarekre, Porekro e Bebo Xikrin do Bacajá. Na oportunidade, ele indeferiu também o mesmo pedido feito em relação ao Projeto S11D.

Nos dois processos figuram como réus: Vale, Salobo Metais S/A, Fundação Nacional do Índio (Funai) Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

Para pedir a suspensão das atividades do Salobo, os indígenas alegam que o empreendimento foi instalado sobre antigas aldeias e cemitérios Xikrin, além de impedir a conexão cultural com outra Terra Indígena Xikrin (Trincheira Bacajá); e corte de milhares de Castanheiras, utilizadas pelos indígenas a subsistência física e cultural. Eles citam ainda a ausência do Estudo de Componente Indígena como uma das irregularidades mais graves.

Em relação ao Projeto S11D, o Povo Xikrin acusa o empreendimento de causar danos etnoambientais, como poluição dos recursos hídricos – Rio Itacaiúnas, Igarapé Salobo, Igarapé Mirim e Rio Cinzento -, com metais pesados e sedimentos finos; e existência de drenagens clandestinas, aferidos por monitoramento realizado na Terra Indígena.

Em sua justificativa, o magistrado federal afirma que as portas do Judiciário estão abertas e sempre estarão “para que os Xikrin e os seus direitos sejam resguardados”.

Em seguida, ele diz que o Estudo do Componente Indígena não se funda na questão da afetação direta e incidente propriamente sobre a Terra Xikrin, mas sobre a “possibilidade de que o empreendimento Salobo possa causar danos reflexamente as comunidades Xikrin que vivem nas proximidades e no reconhecimento da obrigação atual e prospectiva da parte ré evitar ou mitigar os efeitos deletérios e, também, de reparar ou recuperar eventuais danos já causados”.

“Não existem previamente danos a serem reparados, muito menos em pecúnia diretamente aos indígenas, ao mero argumento de que deve ser observado o princípio da prevenção ou precaução”, arremata Heitor Gomes.

Em relação ao S11D o juiz determinou a realização de várias providências por parte da União e dos demais envolvidos na denúncia, mas decidiu por não paralisar as atividades do projeto.

Publicidade

Relacionados