Juíza é encontrada morta dentro de veículo em Belém

Natural da Paraíba, Mônica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira atuava no Rio Grande do Norte e ia com frequência a Belém, já que era casada com magistrado no Pará.

Continua depois da publicidade

A Polícia Civil do Pará investiga a morte da juíza Mônica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira, encontrada morta dentro de um carro no estacionamento de um prédio em Belém, no Pará, nesta terça-feira (17). O corpo apresentava um ferimento por arma de fogo.

A magistrada de 47 anos era natural de Barra de Santana, na Paraíba, titular da Vara Única de Martins, município da Região Oeste do estado do Rio Grande do Norte, onde ocupava também a diretoria do fórum daquela comarca.

Em nota, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte lamentou a morte da juíza, integrante do seu quadro.

“O presidente do Tribunal de Justiça do RN, desembargador Vivaldo Pinheiro, lamenta a morte da magistrada Mônica Maria Andrade Figueiredo de Oliveira, 47 anos, ocorrida no Estado do Pará. Natural de Barra de Santana, na Paraíba, a magistrada ingressou no Poder Judiciário do RN em 2016, era titular da Vara Única de Martins e ocupava a diretoria do fórum daquela comarca”, diz a nota.

“Em nome de todo o Poder Judiciário do RN, o desembargador presidente se solidariza com parentes e amigos neste momento de perda e dor”, complementa.

A Associação de Magistrados do Rio Grande do Norte (Amarn) também manifestou “extremo pesar” pelo falecimento da juíza.

“A magistrada deixa um casal de filhos, irmãos e sobrinhos, a quem dedicamos nossas orações para que recebam o conforto necessário neste momento de tristeza e dor, assim como rogamos aos emissários divinos que a acolham e a amparem na morada celestial”.

Investigação

A Polícia Civil disse que o caso é investigado pela Divisão de Homicídios e que “está adotando todas as medidas cabíveis para a elucidação do ocorrido”. A Polícia Científica foi acionada para a remoção do corpo.

Depois da perícia no veículo, equipes foram até o apartamento do casal e no estacionamento do condomínio. Será a perícia sem cadáver no local. | ( Reprodução )

Mônica teria sido encontrada morta pelo companheiro, o juiz João Augusto Figueiredo de Oliveira Júnior. Ao se deparar com a situação, ele teria levado o carro e o corpo para a delegacia.

O Tribunal de Justiça do Pará (TJPA) disse que ainda não vai se manifestar sobre o caso.

“Ainda sem acreditar. Minha comadre, prima e grande amiga se foi”, lamentou Ivonete, em uma rede social.

Fonte: G1

Deixe seu comentário

Posts relacionados