Jornalista responsabiliza a Prefeitura de Rondon do Pará pela morte da mãe por covid-19

Segundo Júlia Freitas, a omissão do Executivo, por meio da Secretaria de Saúde, foi fator fundamental para que o irmão dela fosse contaminado pelo novo coronavírus e contaminasse a mãe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A jornalista Júlia Freitas, de Rondon do Pará, protocolou, nesta segunda-feira (26), no Ministério Público Estadual, naquele município, queixa contra a Prefeitura Municipal e a Secretaria Municipal de Saúde. No documento, ela responsabiliza o Executivo e a pasta citada pela morte de sua mãe, Alice Freitas, de 78 anos, na última sexta-feira (24), acometida de covid-19.

Na denúncia Júlia afirma que houve omissão por parte do poder público rondonense desde o momento em que seu irmão, Roberto Freitas, 52 anos,  paciente renal crônico, cardiopata e hipertenso, que faz tratamento de hemodiálise três vezes por semana no Instituto São Francisco, em Ulianópolis, desde agosto de 2018 e, junto com outros pacientes, utiliza o transporte fornecido pela Prefeitura de Rondon do Pará, não foi testado para o novo coronavírus, assim como os demais.

Com a situação de pandemia de covid-19 e o fato de que havia alguns dos 18 pacientes renais crônicos com sintomas característicos da infecção pelo novo coronavírus, Júlia Freitas conta que solicitou à Secretaria de Saúde do município e à Vigilância Sanitária, que todos os 18 pacientes fossem submetidos a teste de detecção do vírus. Entretanto, afirma ela, nenhuma providência foi tomada.

Narra ainda que a mesma tentativa foi feita pelo Hemocentro de Ulianópolis, que enviou ofício à Secretaria de Saúde de Rondon, solicitando que todos os 18 pacientes renais oriundos do município passassem pelo teste que detectaria ou não a presença do novo coronavírus. O pedido também não foi atendido.

Revoltada com a situação do irmão e de outros pacientes, que continuavam viajando para Ulianópolis no mesmo veículo que outros pacientes com sintomas da covid-19, Júlia Freitas ameaçou ir ao Ministério Público denunciar o descaso. Imediatamente, o prefeito Arnaldo Ferreira Rocha e a secretária de Saúde, Eilla Ramalho de Deus, apressaram-se em ir a uma emissora de rádio anunciar que dariam toda a assistência aos pacientes renais, inclusive providenciando a testagem.

Roberto Freitas, entretanto, já estava contaminado pelo novo coronavírus e precisava ser removido para o Hospital Regional em Marabá. Porém, como a ambulância do município estava ocupada por uma paciente, em vez de vir na maca, ele viajou sentado em uma cadeira, sem suporte e sem oxigênio, no último dia 1º.

Como ele morava com a mãe, Alice, que estava em completo isolamento, automaticamente e sem saber, passou o vírus para ela, que ficou quatro dias internada no Hospital São José, lá mesmo em Rondon, mas a situação se agravou e a idosa teve de ser removida para hospital de Marabá.

Novamente Júlia apelou à prefeitura para que providenciasse uma ambulância a fim de transportar a mãe até Marabá e outra vez viu seu pedido negado. Alice Freitas teve de viajar 160 km em um automóvel particular, acompanhada de uma técnica de enfermagem e sem o menor suporte de atendimento de urgência, como afirma a jornalista na denúncia.

Internada no dia 5 no Hospital Municipal de Marabá, posteriormente ela foi removida ao Hospital Regional, onde morreu na sexta-feira. “A omissão do estado, por seus ocupantes de Cargo Eletivo ou Servidores Públicos, também é uma forma de genocídio da população deste Município [Rondon] por conduta omissa e mesmo, no caso concreto, de homicídio”, afirma a jornalista no documento.

“Ademais, os fatos relatados configuram violação grave à Constituição Federal da República, à Lei de Improbidade Administrativa, tendo repercussão na seara Política, Administrativa e Penal”, adverte ela, solicitando do MP as providências legais para o caso.

O Blog do Zé Dudu tentou, de todas as formas, contato com a Prefeitura de Rondon, por meio da Assessoria de Comunicação, para que o Executivo Municipal ou a Secretaria de Saúde se manifestassem sobre o caso, mas não obteve retorno.

Veja a íntegra do pedido de providência

Publicidade