Jader propõe estudos para baixar custos da energia elétrica

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Jader BarbalhoO senador Jader Barbalho propôs ontem ao Ministério de Minas e Energia, em caráter de urgência, a realização de estudos técnicos destinados a corrigir distorções que ele considera existirem no setor elétrico e que acabam impactando os custos finais da energia para o consumidor. A proposição de Jader Barbalho está contida em ofício por ele endereçado diretamente ao ministro Eduardo Braga.

Se acolhida pelo governo, ela terá a capacidade de tornar menos pesada a carga tributária incidente sobre as contas de luz, reduzir os preços da energia elétrica e, subsidiariamente, racionalizar o uso dos recursos hídricos com fins econômicos, o que inclui, entre outras atividades, a utilização da água para a geração de energia. O atendimento à sugestão do senador paraense envolveria não apenas o Ministério de Minas e Energia, mas também a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e a Agência Nacional de Águas (Ana).

O pleito foi inspirado, conforme frisou o próprio Jader, pelo momento que passa o Estado do Pará no tocante ao custo da energia elétrica, considerado excessivamente alto e acima da capacidade de pagamento de parcelas expressivas da população. O senador destacou, a propósito, que de agosto do ano passado para cá o custo final da energia para o consumidor paraense já acumula altas superiores a 40%, se forem considerados o reajuste de equalização de 34,6%, em média, que entrou em vigor em agosto do ano passado, a revisão tarifária extraordinária de 3,6%, que passou a vigorar em 2 de março deste ano, e mais os acréscimos relativos à chamada bandeira tarifária.

Somando-se a isso o impacto exercido pela incidência de impostos – o estadual ICMS, com alíquota no Pará de 25%, e as duas contribuições federais, o PIS/COFINS, ele observou que não é difícil concluir que o custo final da energia, para o consumidor paraense de baixa renda, está alcançando patamares verdadeiramente proibitivos. “Isso preocupa, porque afeta não somente a qualidade de vida da nossa população, mas impacta também negativamente todo o conjunto da economia, inibindo como consequência a geração de emprego e renda”, acrescentou.

O líder maior do PMDB no Pará citou, a propósito, os resultados de um estudo realizado em 2014 pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). De acordo com o levantamento, que se estendeu aos 26 Estados brasileiros e mais o Distrito Federal, o Estado do Pará registra o mais alto custo da energia industrial do país e também lidera o ranking das unidades que praticam as mais elevadas tarifas de todo o Brasil.

Jader Barbalho destacou ainda que o Pará já é o sexto maior produtor nacional de energia elétrica. Com a entrada em operação de Belo Monte, em fase final de construção no rio Xingu, o Estado ascenderá à segunda posição, ao lado de Minas Gerais. E, dentro dos próximos dez a doze anos, uma vez executados os grandes projetos hidrelétricos projetados pelo governo nas bacias do Tapajós e do Tocantins, o Pará assumirá com folga a liderança do ranking dos grandes produtores nacionais. Hoje, acrescentou, o Pará já é um grande exportador e se tornará, com Belo Monte, o gerador do maior excedente de energia do Brasil.

Fonte: Diário do Pará

Publicidade