Belém

Iniciada fase de concretagem na obra da ponte Rio Moju

A construção de parte da estrutura da ponte Rio Moju – no complexo da Alça Viária – já está na fase de concretagem do bloco do mastro, que servirá de base para os pilares que suportarão o piso da ponte onde passarão os veículos, o chamado tabuleiro ou estrado.

Esta é a segunda etapa da obra, que envolveu anteriormente a cravação e a concretagem das estacas. Para dar ainda mais rapidez ao processo, tanto as estacas quanto os blocos são construídos em módulos. Assim inicia-se construção do mastro na parte central do bloco de fundação (que terá 85,10 metros), enquanto as estacas e as partes periféricas do bloco são construídos simultaneamente em outro local. Essa é a inovação no método construtivo na ponte do Moju.

A terceira etapa será a montagem do tabuleiro (pista), que está sendo pré-fabricado em Fortaleza (CE) e que já começou a chegar ao Moju.

A reconstrução da parte central da ponte está sendo feita com dois vãos de navegação ampliados. Cada um terá 134 metros divididos pelo mastro, ambos suportados por cabos-estais distantes 12 metros um do outro. Esse novo sistema estrutural garantirá a boa qualidade da navegação na região, com mínimo risco de impacto de embarcações.

A obra segue o cronograma de trabalho previamente estipulado. A entrega está programada para cinco meses após o início dos trabalhos de construção da ponte, o que ocorreu em 20 de junho. Segundo o titular da Setran, Pádua Andrade, a obra está em ritmo acelerado e mobiliza mais de 400 operários de forma direta e outros 400 de maneira indireta em três turnos.

“A obra envolve 28 categorias profissionais entre eles engenheiros, mecânicos, eletricistas, marítimos, pedreiros e metalúrgicos. São profissionais paraenses e de mais dois estados onde partes da ponte estão se construídos para serem montados, sendo o tabuleiro e os estais em Fortaleza e São Paulo, respectivamente”, detalhou.

O projeto de parte da ponte, que ganhará o formato estaiado, é de responsabilidade do engenheiro Pedro Almeida, paraense, que hoje é professor da Universidade de São Paulo (USP). Na equipe de campo estão engenheiros civis, navais, se segurança do trabalho, mecânico e até engenheiro de minas, este último atua na remoção dos escombros da ponte que caíram no fundo do rio, em abril passado, após o choque de uma embarcação.

“É um trabalho em ritmo de dedicação total, 24 horas por dia. Não há  folga em feriados ou finais de semana, tudo para vencer o desafio de entregar a ponte até novembro deste ano. Cada etapa concluída é muito festejada”, diz Marcos Frensel, engenheiro residente da obra.

As defensas (dolfins) de proteção dos pilares centrais – do novo mastro da ponte e dos apoios laterais do vão de navegação e os cabos-estais, estão sendo fabricados em São Paulo e devem chegar ao Pará ainda este mês. 

A reconstrução da ponte custou cerca de R$180 milhões, sendo R$104 milhões para a ponte, recursos oriundos das empresas responsáveis pela embarcação que colidiu com a ponte que provocou o desabamento. 

A ponte rio Moju faz parte do complexo de quatro pontes da Alça Viária – a rodovia  PA-483, que tem mais de 70 quilômetros de extensão – e é a principal artéria rodoviária do Norte do Brasil, integrando a Região Metropolitana de Belém (RMB) ao sul e sudeste do Pará. 

Balsas: Para reduzir os impactos para a população durante o período  de construção da ponte, o Governo do Estado criou a travessia ao lado da ponte em construção, que  opera com duas balsas fazendo a travessia de caminhões, ônibus e vans e demais usuários da rodovia. É uma operação que envolve três rebocadores em cada balsa, mas que só ocorre durante o dia por determinação da Capitania dos Portos.

Fonte: Agência Pará

 

Deixe seu comentário